COMENTAR | CORRIGIR
09/10/2018 - 01h12min. Alterada em 09/10 às 01h00min

GARIBALDI: Congresso reúne 400 mulheres empreendedoras da região

Evento, promovido pela Apeme Mulher, foi realizado no último dia 5

Evento, promovido pela Apeme Mulher, foi realizado no último dia 5


PRISCILA BOEIRA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O olhar empático, o protagonismo, a garra e a força feminina nas organizações motivaram cerca de 400 mulheres empreendedoras no último dia 5, no Feminina - 1º Congresso de Mulheres Empreendedoras da Serra Gaúcha. O evento foi promovido pela Apeme Mulher - núcleo feminino da Associação de Pequenas e Médias Empresas (Apeme), no ginásio da Associação dos Motoristas de Garibaldi (AMG). O congresso trouxe a bailarina Ana Botafogo, as empresárias Maria Anselmi, Odete Bettú Lazzari, Maristela Tomasi Chiappin e Cíntia Lee Martinez Megget, além da cientista Cristina Furlanetto e o filósofo Gustavo Balbinot. Na oportunidade, foi anunciada a realização do 1° Congresso da Apeme, em 2019, aberto a todos os associados, empreendedores e comunidade.

O Feminina se iniciou com as boas-vindas da presidente da Apeme, Rosângela da Costa. "Empreender é gerar movimento, impulsionar, transformar. As mulheres têm aumentado sua representatividade e inovado nas formas de trabalho, contribuindo para o desenvolvimento de suas famílias, comunidades e país. Mulher, sinônimo de possibilidade e multiplicidades!", destacou.

Em sua fala, a presidente da Apeme Mulher, Carla Casagrande Brandelli, mostrou o posicionamento da entidade. "Essa nova experiência está alinhada com a nossa visão para 2020: 'ser uma referência regional em representatividade da mulher e realização de ações socioculturais, reconhecidas pelo fomento do empreendedorismo feminino'", disse.

A primeira palestra foi ministrada pela especialista em Sistemas Integrados de Gestão, Cíntia Lee Martínez Megget. A uruguaia falou sobre o círculo virtuoso do empreendedorismo. "No Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), tenho tido a oportunidade de conhecer muitas empresas anualmente. Quando a gente enxerga um empreendedor, percebe os diferenciais. Temos que nos perguntar 'quem sou eu?'. Quando fazemos essa pergunta, estou definindo a minha missão, a minha razão de existir. Ela é imprescindível para ter foco", disse.

Na sequência, as participantes assistiram ao painel de histórias inspiradoras. A diretora da Malharia Anselmi, Maria Anselmi, falou sobre o início de trabalho árduo e pobreza. "A minha história é de muita luta e muito trabalho. Eu não conheço outra forma de sucesso que não seja dedicação e trabalho", destacou.

A diretora-presidente da Rede de Ensino Caminho do Saber e vice-presidente de serviços da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC), de Caxias do Sul, Maristela Tomasi Chiappin, contou detalhes de sua trajetória. "Eu nasci no interior, no início dos anos 1970. Sempre caminhei muito para pegar o ônibus que me levava até a escola. Eu sempre me dedicava muito. Fiz magistério e não aceitei nenhum emprego. Pedi para meus pais me emanciparem e abri minha própria escola. Após três anos eu já estava abrindo uma filial", salientou.

A astrofísica Cristina Furlanetto falou sobre a carreira em um nicho predominantemente masculino. "A ciência é um retrato da sociedade. É sexista como qualquer outro ambiente. Ocorrem muitos casos de abuso moral e sexual. Por estar em um lugar muito dominado por homens é comum sentir que não pertencemos àquele lugar. Outra síndrome muito presente é a do impostor. A gente não se considera merecedora de estar naquele lugar. Temos, sim, que ocupar todos os lugares que quisermos", ressaltou.

A proprietária da Osteria Della Colombina, Odete Bettú Lazzari, emocionou-se ao recordar dos tempos difíceis, quando ficou viúva, com quatro filhas para criar e uma propriedade rural para manter. "Inúmeras vezes, vi muitas pessoas chorando dizendo: 'Você fez a comida que a minha mãe fazia'. Ou por lembrarem da casa de suas infâncias. Quando meu marido morreu, as coisas ficaram bem difíceis, mas eu nem tive tempo de me lastimar. Eu tinha quatro filhas e uma delas era bebê. Eu precisava reagir. Arrendei a propriedade, foram tempos bem difíceis, mas eu sempre quis vencer", recordou.

O filósofo, teólogo, músico e escritor, Gustavo Balbinot, contagiou as participantes com o tema Mulher, a alma do cuidado humano. "Vocês, mulheres, são grandes por si próprias. Eu vi mulheres morrendo de sede, famílias morrendo de fome e se havia esperança na Angola, era por causa das mulheres que levavam 30 kg de água em bombonas na cabeça. Tenho certeza que o mundo tem salvação porque as mulheres estão conquistando seus lugares de direito", declarou.

A palestra de Ana Botafogo coroou o congresso, ao contar detalhes de sua carreira de 40 anos. A primeira-bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro sempre mirou na perfeição de movimentos, conquistados com muito treino e dedicação. "O aprendizado do balé é de extremo valor para a vida. A exigência, o controle emocional e o trabalho em equipe são grandes lições. Sou muito feliz por conseguir empreender na área que mais amo", concluiu. Ana criou a empresa Anarte, justamente para preparar seu abandono dos palcos. O empreendimento engloba uma produtora de espetáculos, butique, moda e academia de dança.

O evento se encerrou com show de Lela Rosanelli e um coquetel entre as participantes. O Feminina contou com o patrocínio máster do Sicredi Serrana; patrocínio ouro da Modelo Vidros, Atelier do Impresso e CIX - Semijoias, joias e acessórios. O patrocínio prata foi da Empório Baby, Friza Comércio e Simonaggio Varejo.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300