Porto Alegre, sexta-feira, 26 de novembro de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 26 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 26/11/2021 às 16h37min.

Infectologista da Casa Branca diz que é preciso mais informação sobre nova variante sul-africana para restringir viagens

Segundo Fauci, ainda não se sabe se a cepa em questão é resistente às vacinas atuais

Segundo Fauci, ainda não se sabe se a cepa em questão é resistente às vacinas atuais


BRENDAN SMIALOWSKI/AFP/JC
Infectologista e principal conselheiro médico da Casa Branca, Anthony Fauci disse que é necessário ter mais informação sobre a nova variante do coronavírus, identificada pela primeira vez na África do Sul, para então se pensar em restrições de viagens. "Quando tivermos mais informações, podemos considerar bloqueios de viagem. Mas precisamos de embasamento para fazer esse tipo de decisão", afirmou nesta sexta-feira (26), em entrevista à CNN.
Infectologista e principal conselheiro médico da Casa Branca, Anthony Fauci disse que é necessário ter mais informação sobre a nova variante do coronavírus, identificada pela primeira vez na África do Sul, para então se pensar em restrições de viagens. "Quando tivermos mais informações, podemos considerar bloqueios de viagem. Mas precisamos de embasamento para fazer esse tipo de decisão", afirmou nesta sexta-feira (26), em entrevista à CNN.
Fauci disse que "sempre há a possibilidade de fazer o que o Reino Unido fez". Londres já anunciou restrições para viajantes da África do Sul, Namíbia, Lesoto, Botsuana, Suazilândia e Zimbábue.
O infectologista garantiu que, quando houver dados suficientes, uma decisão será tomada "o mais rápido possível". Até o momento, não há indicação da nova variante nos EUA, "mas tudo é possível", considerando a circulação de viajantes internacionais, disse Fauci.
Ainda não se sabe se a cepa em questão é resistente às vacinas atuais, "mas descobriremos logo", garantiu o infectologista. Ele apontou a necessidade de se realizar testes diretamente em laboratório, pois embora haja "uma bandeira vermelha", não se sabe de verdade sobre a relação entre os imunizantes e a nova variante.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO