Porto Alegre, quarta-feira, 24 de novembro de 2021.
Porto Alegre,
quarta-feira, 24 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 24/11/2021 às 17h23min.

China se opõe 'firmemente' a convite dos EUA a Taiwan para fórum sobre democracia

China defende que Taiwan é parte inalienável de seu território

China defende que Taiwan é parte inalienável de seu território


Philip FONG/AFP/JC
Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian afirmou nesta quarta-feira (24), que seu país "se opõe firmemente" ao convite feito pelos Estados Unidos para que autoridades de Taiwan participem de uma cúpula de líderes sobre democracia. "Há apenas uma China no mundo. O governo da República Popular da China é o único representante legal de toda a China, e Taiwan é parte inalienável do território chinês", disse ele, durante entrevista coletiva.
Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian afirmou nesta quarta-feira (24), que seu país "se opõe firmemente" ao convite feito pelos Estados Unidos para que autoridades de Taiwan participem de uma cúpula de líderes sobre democracia. "Há apenas uma China no mundo. O governo da República Popular da China é o único representante legal de toda a China, e Taiwan é parte inalienável do território chinês", disse ele, durante entrevista coletiva.
O porta-voz afirmou que o princípio de que há apenas uma China é uma norma "em geral aceita nas relações internacionais" e que Taiwan "não tem nenhum outro status na lei internacional" além de ser parte da China. O governo de Pequim pede que os EUA não deem plataformas para forças pela independência de Taiwan.
Na coletiva, o porta-voz ainda criticou a cúpula como um todo, apontando que a democracia "é um valor comum de toda a humanidade", não sendo restrita a alguns países. Para o governo chinês, os EUA estão usando "a chamada democracia" como um instrumento para avançar em questões estratégicas. Pequim acusou também os EUA de terem uma "mentalidade de Guerra Fria".
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO