Porto Alegre, segunda-feira, 25 de outubro de 2021.
Porto Alegre,
segunda-feira, 25 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 25/10/2021 às 20h17min.

Embaixadores recuam em comunicado e Turquia volta atrás na decisão de expulsá-los

Erdogan disse que embaixadores serão mais cuidadosos no futuro

Erdogan disse que embaixadores serão mais cuidadosos no futuro


Murat KULA/TURKISH PRESIDENTIAL PRESS SERVICE/AFP/JC
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, decidiu nesta segunda-feira (25) não expulsar mais os dez embaixadores ocidentais que haviam manifestado apoio a um opositor do governo, aliviando assim uma das maiores crises diplomáticas dos 19 anos do turco no poder.
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, decidiu nesta segunda-feira (25) não expulsar mais os dez embaixadores ocidentais que haviam manifestado apoio a um opositor do governo, aliviando assim uma das maiores crises diplomáticas dos 19 anos do turco no poder.
No sábado (23), Erdogan havia dito que declararia "persona non grata" os embaixadores de Estados Unidos, Canadá, França, Finlândia, Dinamarca, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, Noruega e Suécia, que se mobilizaram a favor de Osman Kavala, preso há quatro anos sem julgamento. Em comunicado conjunto divulgado na segunda-feira anterior (18), os diplomatas pediram "uma solução justa e rápida" para o caso do opositor.
Para o presidente, o texto constituía um "ataque" e um "enorme insulto" contra a Justiça turca. "Nossa intenção não era provocar uma crise, mas proteger nossos direitos, nossa honra, nosso orgulho e nossos interesses soberanos", afirmou.
Agora, porém, os diplomatas "voltaram atrás" e "serão mais prudentes no futuro", declarou o presidente turco após uma longa reunião de seu governo que poderia confirmar a expulsão.
Em comunicados divulgados no Twitter, as embaixadas envolvidas afirmaram agir "conforme a Convenção de Viena e seu artigo 41", que enquadra as relações diplomáticas e proíbe interferência nos assuntos internos do país anfitrião. "Com o novo comunicado feito pelas mesmas embaixadas nesta segunda, um passo atrás foi dado em relação a esta calúnia contra nosso país e nossa nação. Acredito que esses embaixadores serão mais cuidadosos em suas declarações sobre os direitos soberanos da Turquia", disse o presidente.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO