Porto Alegre, sábado, 09 de outubro de 2021.
Dia Mundial dos Correios.
Porto Alegre,
sábado, 09 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

América Latina

- Publicada em 09/10/2021 às 10h44min.

Indiferença com democracia abre espaço para autoritarismo na América Latina

Uruguaios são os que mais apoiam a democracia, com 74% da população

Uruguaios são os que mais apoiam a democracia, com 74% da população


DANTE FERNANDEZ/AFP/JC
Um quarto dos latino-americanos afirma não se importar se vive em uma democracia ou não, desde que suas demandas possam ser atendidas. A cifra foi revelada na quinta-feira (7) pela 25ª edição de uma pesquisa do instituto Latinobarómetro sobre o estado da democracia na região.
Um quarto dos latino-americanos afirma não se importar se vive em uma democracia ou não, desde que suas demandas possam ser atendidas. A cifra foi revelada na quinta-feira (7) pela 25ª edição de uma pesquisa do instituto Latinobarómetro sobre o estado da democracia na região.
"Temos aí um caldo perigoso, em que se podem formar governos populistas ou autoritários", disse a socióloga Marta Lagos, diretora da ONG chilena, na apresentação do levantamento, em Santiago.
A pesquisa, feita anualmente em 18 países, é a mais importante referência na medição da satisfação dos latino-americanos com a democracia. Esta edição revelou ainda que 13% das pessoas dizem que apoiariam um governo autoritário; que 49% se definem satisfeitos com o regime democrático; e que 70% estão insatisfeitos com a atual gestão de seu país.
"No começo da pandemia, houve um apoio maior dos cidadãos aos seus governos, mas, com o passar do tempo, vimos um desgaste. Embora o latino-americano tenha culpado seus governantes pelo desgaste econômico durante a crise sanitária, não houve uma queda da preferência pela democracia como forma de governo", disse Lagos.
A pesquisa ouviu mais de 20 mil pessoas na região - em 17 países de modo presencial e na Argentina, devido às restrições de viagem ao país, virtualmente. Não houve mudança em 2021 em relação aos países que mais apoiam a democracia. Assim como nos últimos anos, quem lidera esse quesito é o Uruguai, com 74% da população. Na sequência, outros dois que o acompanharam no topo da lista, Costa Rica (67%) e Chile (60%), e ainda a Argentina (55%), apesar dos abalos de crises políticas recentes.
No outro extremo, vem Honduras, em que apenas uma cifra de 30% dos habitantes afirma valorizar esse sistema. O Brasil, com 40% e a classificação de uma democracia frágil, está na parte de baixo do ranking.
Apesar de a rejeição a um regime militar ser alta na região (média de 62% de rechaço), ainda assim há espaço para líderes autoritários, populistas ou, na linguagem latino-americana, "caudilhos", segundo o relatório. "É preciso prestar atenção especialmente aos países da América Central, onde a população se mostra mais propensa a aceitar esse tipo de política paternalista que pode levar a um autoritarismo", disse Lagos.
"Os países do chamado Triângulo Norte (El Salvador, Honduras e Guatemala) mostram níveis altos de desencanto com o sistema e a urgência de alguém que surja com soluções rápidas. Nesse território estamos vendo crescer, por exemplo, o autoritarismo de Nayib Bukele (presidente salvadorenho)."
Também nesses países, de acordo com a pesquisa, identificou-se uma maior aceitação da perseguição ao jornalismo. À pergunta "em caso de necessidade, considera que o governo deve intervir nos meios de comunicação?", 66% responderam afirmativamente em El Salvador e 49% na Guatemala. O Brasil vem pouco atrás, com 38%.
O estilo de Bukele tem agradado aos salvadorenhos: 66% da população afirma que está satisfeita com o caminho que o país está tomando, e apenas 19% estão insatisfeitos.
Desde que a região deixou de ser totalmente democrática, em 2018, com Nicarágua e Venezuela passando a ser classificadas como ditaduras pelo Latinobarómetro, o apoio à democracia vem caindo. Nos últimos anos, a queda foi mínima, mas continua estável e em um patamar baixo - diferença marcante para as cifras vistas nos anos 1990. "Naquela época, com as democracias ainda muito jovens, o encanto e o apoio era muito maior. Estamos num momento delicado, porém não gravíssimo", afirmou Lagos.
A pesquisa, por fim, emitiu outros sinais aos governos da região. Apenas 22% dos latino-americanos dizem que seus governantes se preocupam com os demais, e só 17% creem que a distribuição de riquezas de seus países é justa.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO