Porto Alegre, quarta-feira, 18 de agosto de 2021.
Dia do Estagiário.
Porto Alegre,
quarta-feira, 18 de agosto de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavírus

- Publicada em 15h53min, 18/08/2021.

D3 da vacina estará disponível a adultos a partir de 20 de setembro nos EUA

Segundo CDC, eficácia da vacina caiu de 92% sem a delta para 64% com a cepa delta

Segundo CDC, eficácia da vacina caiu de 92% sem a delta para 64% com a cepa delta


SPENCER PLATT/GETTY IMAGES/AFP/JC
As doses de reforço das vacinas contra a covid-19 devem estar disponíveis a partir de 20 de setembro aos adultos norte-americanos, informou a Casa Branca nesta quarta-feira (18). A orientação é que os cidadãos recebam a terceira dose (D3) oito meses após a segunda.
As doses de reforço das vacinas contra a covid-19 devem estar disponíveis a partir de 20 de setembro aos adultos norte-americanos, informou a Casa Branca nesta quarta-feira (18). A orientação é que os cidadãos recebam a terceira dose (D3) oito meses após a segunda.
O plano ainda precisa ser aprovado pelo Comitê Consultor sobre Práticas de Imunização (ACIP, na sigla em inglês) e pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês).
"Nossa abordagem para a terceira dose, como sempre, é guiada pela ciência e com o intuito de ficar um passo a frente do vírus", disse o cirurgião geral dos EUA, Dr. Vivek Murthy. "As vacinas autorizadas nos EUA têm alta eficácia, mesmo contra a variante Delta, mas sabemos que ela diminui com o tempo."
De acordo com dados apresentados pela diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Rochelle Wolensky, a eficácia da vacina caiu de 92% sem a delta para 64% com a cepa delta. "É fato de que a eficácia da vacina contra a infecção do Sars-CoV-2 diminui com o tempo, que continua alta contra casos graves da doença e que, em geral, diminui contra a variante delta", afirmou ela.
As autoridades norte-americanas de saúde afirmaram, ainda, que há evidências "preocupantes" de que a eficácia da vacina contra casos graves diminui com o tempo. Reforçaram também que a decisão está sendo tomada como uma antecipação a possíveis problemas futuros, com base em dados.
Com os dados a serem lançados ao fim do dia, os Estados Unidos alcançaão a marca de 200 milhões de norte-americanos com ao menos uma dose do imunizante, disse o coordenador da força-tarefa da Casa Branca, Jeff Zients.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário