Porto Alegre, terça-feira, 08 de junho de 2021.
Dia do Citricultor.
Porto Alegre,
terça-feira, 08 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

América do Sul

- Publicada em 20h32min, 07/06/2021.

Castillo assume a liderança nas eleições presidenciais do Peru

Se vencer, Castillo será o primeiro presidente sem vínculos com as elites do país

Se vencer, Castillo será o primeiro presidente sem vínculos com as elites do país


Andres VALLE/AFP/JC
Com 94,1% da apuração oficial concluída no Peru, o candidato esquerdista Pedro Castillo, 51 anos, liderava na corrida presidencial com 50,24% dos votos contra 49,75% da direitista Keiko Fujimori, 46 anos. A diferença, que equivale a 81,8 mil votos, reflete a polarização da cena política peruana enquanto o país escolhe a quinta pessoa a ocupar a presidência desde 2018. O vencedor do pleito deve assumir a Presidência do Peru em 28 de julho.
Com 94,1% da apuração oficial concluída no Peru, o candidato esquerdista Pedro Castillo, 51 anos, liderava na corrida presidencial com 50,24% dos votos contra 49,75% da direitista Keiko Fujimori, 46 anos. A diferença, que equivale a 81,8 mil votos, reflete a polarização da cena política peruana enquanto o país escolhe a quinta pessoa a ocupar a presidência desde 2018. O vencedor do pleito deve assumir a Presidência do Peru em 28 de julho.
Os primeiros relatórios da Onpe, órgão eleitoral responsável pela contagem oficial dos votos, que apontavam vantagem de Keiko, continham os votos das áreas urbanas. À medida em que o percentual restante, que leva mais tempo para ser analisado por vir das áreas rurais do Peru e dos cidadãos que votam no exterior, Castillo foi diminuindo a diferença até superar a adversária.
Eleitores de Keiko chegaram a cantar vitória quando a Onpe divulgou os resultados preliminares. Com 42% dos votos apurados, a filha do autocrata Alberto Fujimori, que liderou o país entre 1990 e 2000, saiu na frente com quase seis pontos de vantagem.
Os números provocaram explosões de júbilo em bairros ricos de Lima, onde as pessoas iam às janelas aos gritos de "Viva o Peru!" e "Keiko venceu!". O eleitorado mais conservador teme que o país "caia no comunismo" se Castillo for eleito presidente.
A candidata, no entanto, reagiu com moderação e pediu prudência a seus eleitores devido à pequena margem de diferença. "Aqui não há vencedor nem perdedor. O que se deve buscar é a unidade de todos os peruanos", disse Keiko.
Horas antes, a pesquisa de boca de urna do Instituto Ipsos também dava vitória à direitista, com 50,3% dos votos contra 49,7% de Castillo. Mais tarde, porém, uma contagem rápida feita pelo mesmo instituto revelou um resultado inverso, com 50,2% para o professor de escolas rurais e 49,8% para a ex-congressista.
Gritos de vitória também se multiplicaram após a divulgação do resultado favorável ao esquerdista em Tacabamba, cidade andina mais próxima da aldeia empobrecida onde Castillo nasceu e foi criado. Uma multidão de apoiadores se reuniu na praça principal, violando o toque de recolher imposto para contenção da pandemia de coronavírus.
"Peço ao nosso povo que defenda todos os votos", escreveu Castillo no Twitter quando a previsão inicial sugeria que ele perderia. "Convido o povo peruano de todos os cantos do país a ir às ruas em paz para estar vigilante na defesa da democracia."
Keiko Fujimori pode acabar sendo a primeira presidente do Peru, objetivo pelo qual trabalha há 15 anos, desde que assumiu a tarefa de reconstruir quase das cinzas o movimento político de direita fundado por seu pai em 1990.
Mas perder nas urnas não significaria apenas sua terceira derrota nas urnas - ela já foi candidata em 2011 e em 2016, perdendo ambas as vezes no segundo turno. Ela também teria que ir a julgamento sob risco de acabar na prisão. Keiko é investigada pelo caso das contribuições ilegais da empreiteira brasileira Odebrecht, um escândalo que afetou também quatro ex-presidentes peruanos, e já passou 16 meses em prisão preventiva por isso. Se vencer, abrirá um precedente ao ser a primeira mulher nas Américas a chegar ao poder seguindo os passos de seu pai, cujo mandato foi marcado por uma série de denúncias de violações de direitos humanos.
Do outro lado está Castillo, que, se obtiver sucesso, será o primeiro presidente peruano sem vínculos com as elites políticas, econômicas e culturais. Sindicalista e professor do Ensino Médio, ele ficou conhecido nacionalmente ao liderar greves de docentes, a mais famosa delas em 2017. Ele defende maiores salários aos empregados do setor da educação, tem um discurso anticorrupção e propõe dissolver o Tribunal Constitucional e a Constituição de 1993 - segundo ele, os responsáveis por permitir práticas irregulares.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário