Porto Alegre, segunda-feira, 31 de maio de 2021.
Dia Mundial de Combate ao Fumo.
Porto Alegre,
segunda-feira, 31 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Colômbia

- Publicada em 03h00min, 31/05/2021.

Por ordem do presidente, Exército colombiano ocupa Cali após noite com 13 mortos

Presidente enviou 7 mil militares para a cidade, epicentro dos protestos contra o governo

Presidente enviou 7 mil militares para a cidade, epicentro dos protestos contra o governo


LUIS ROBAYO/AFP/JC

O Exército colombiano ocupou no sábado as ruas de Cali, a terceira maior cidade do país, depois de uma madrugada marcada pela violência. Ao menos 13 pessoas morreram depois que manifestantes saíram às ruas no aniversário de um mês dos protestos contra o governo do presidente Iván Duque.

O Exército colombiano ocupou no sábado as ruas de Cali, a terceira maior cidade do país, depois de uma madrugada marcada pela violência. Ao menos 13 pessoas morreram depois que manifestantes saíram às ruas no aniversário de um mês dos protestos contra o governo do presidente Iván Duque.

Ainda na noite de sexta-feira, Duque despachou 7 mil militares para a cidade, epicentro dos protestos que começaram no final de abril. Um toque de recolher foi decretado em Cali após a noite de violência. Ao longo do sábado, o clima ainda era de tensão, com pouca movimentação nas ruas, tomadas por escombros e restos de barricadas do dia anterior.

A polícia diz que apenas três das mortes estão relacionadas aos protestos. O resto seria reflexo de acerto de contas entre gangues locais. O prefeito de Cali, Jorge Iván Ospina, diz que ainda não é possível dizer que as 13 mortes estão vinculadas aos protestos, mas pediu que todas as mortes sejam investigadas. "Não há dúvida que a maioria delas está ligada às manifestações, mas não podemos garantir que são todas elas", explicou.

Os manifestantes dizem terem sido alvos de disparos de civis armados quando faziam um ato para marcar o aniversário de um mês dos protestos contra a reforma tributária de Duque. "Estávamos em uma atividade cultural para marcar o aniversário da greve no bairro de Meléndez quando ouvimos tiros", disse um sobrevivente, que não quis se identificar por temer por violência. "Começaram a nos massacrar. Eram cinco pessoas à paisana atirando atrás de umas árvores."

Em um dos episódios que mais provocaram indignação ontem no país, um membro do Ministério Público disparou contra um bloqueio de manifestantes, matou dois deles e foi linchado em seguida pela multidão.

O decreto assinado por Duque na noite de sexta-feira também prevê o envio de militares para outros nove departamentos (Estados) colombianos afetados pelos bloqueios viários.

Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário