Porto Alegre, terça-feira, 11 de maio de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 11 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Comércio Exterior

- Publicada em 16h56min, 11/05/2021.

Presidente argentino e premiê português falam em avanços de acerto UE-Mercosul

Fernández e Costa podem fechar acordos complementares dentro de dois anos

Fernández e Costa podem fechar acordos complementares dentro de dois anos


PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/JC
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, se reuniu na segunda-feira (10) com primeiro-ministro de Portugal, António Costa. Entre os temas do encontro estiveram a reestruturação da dívida por parte do país sul-americano junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e o acordo comercial entre União Europeia (UE) e Mercosul. Em declaração conjunta após a reunião em Lisboa, Fernández lembrou que há entraves para um acerto entre ambos os blocos, mas cogitou a possibilidade de acordos complementares.
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, se reuniu na segunda-feira (10) com primeiro-ministro de Portugal, António Costa. Entre os temas do encontro estiveram a reestruturação da dívida por parte do país sul-americano junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e o acordo comercial entre União Europeia (UE) e Mercosul. Em declaração conjunta após a reunião em Lisboa, Fernández lembrou que há entraves para um acerto entre ambos os blocos, mas cogitou a possibilidade de acordos complementares.
"Ambos consideramos urgente que a Comissão Europeia apresente uma proposta de um documento complementar com o compromisso ambiental e o combate ao desmatamento", afirmou Costa, indicando que são dois temas "críticos" e "importantes para fazer avançar o acordo". "Estamos em condições de fazê-los caminhar", respondeu a um jornalista sobre os acertos complementares. "Esperamos que enquanto Portugal preside o Conselho da União Europeia possamos dar passos concretos para um acerto", concluiu o primeiro-ministro.
Segundo Costa, para a Comissão, braço executivo da UE, apresentar uma proposta é "obrigação". "Não tínhamos o mesmo apoio para isso há um ano, mas agora há, e é um tema consensual entre os 27 estados membros e os países do Mercosul", apontou. "Resolvendo este tema, todo o clima político do acordo muda completamente", e "nos permitirá avançar por um acerto comercial". Questionado sobre uma data para o acerto, Costa sugeriu que no espaço de "um ano, dois anos" será possível ter um acordo.
"Temos dificuldade no nosso lado e na Europa, com alguns países que não concordam com o acordo econômico", afirmou Fernández. O presidente destacou que uma das áreas em que acertos complementares podem se desenvolver é no combate às mudanças climáticas, "questão central para o governo argentino", afirmou.
"Creio que o acordo tem um potencial imenso na escala global. Depois da pandemia, com a necessidade de recuperação, será muito importante", afirmou Costa. Em sua conta no Twitter, Costa escreveu que há uma intensificação de esforços "para fazer avançar o processo de ratificação deste acordo tão importante para a prosperidade econômica da Europa e da América Latina".

FMI

Sobre o FMI, Fernández disse que quer "um acordo que não afaste os argentinos", e pediu que o Fundo entenda que a "natureza" do acerto anterior foi prejudicial à Argentina. Costa escreveu no Twitter que se solidariza "com o governo argentino nesta fase complexa" e que "esperamos que as negociações com o FMI e o Clube de Paris se concluam de forma satisfatória para todas as partes".
A visita a Portugal foi a primeira de uma série pela Europa que o presidente argentino fará, e que contará ainda com passagens por Espanha, Itália e França.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário