Porto Alegre, sábado, 08 de maio de 2021.
Dia do Profissional de Marketing.
Porto Alegre,
sábado, 08 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavírus

- Publicada em 15h25min, 08/05/2021. Atualizada em 15h36min, 08/05/2021.

Papa defende suspensão de patentes das vacinas contra covid-19

'O coronavírus produziu morte e sofrimento, afetando a vida de todos',advertiu o pontífice

'O coronavírus produziu morte e sofrimento, afetando a vida de todos',advertiu o pontífice


Handout/VATICAN MEDIA/AFP/JC
O papa Francisco defendeu a suspensão temporária de patentes das vacinas contra Covid-19 neste sábado, (8). A medida, defendida por governos de países como Índia e África do Sul e pela Organização das Nações Unidos (ONU), ganhou nesta semana o apoio público do presidente norte-americano Joe Biden.
O papa Francisco defendeu a suspensão temporária de patentes das vacinas contra Covid-19 neste sábado, (8). A medida, defendida por governos de países como Índia e África do Sul e pela Organização das Nações Unidos (ONU), ganhou nesta semana o apoio público do presidente norte-americano Joe Biden.
No evento beneficente Vax Live, o líder da Igreja Católica afirmou que o mundo está infectado pelo "vírus do individualismo". "Uma variante desse vírus é o nacionalismo fechado, que impede, por exemplo, a internacionalização das vacinas", disse o pontífice, em um vídeo pré-gravado exibido na transmissão ao vivo.
"Outra variante é quando colocamos as leis do mercado ou da propriedade intelectual acima das leis do amor e da saúde da humanidade. Outra variante é quando acreditamos e fomentamos uma economia doente que permite que algumas pessoas muito ricas possuam mais do que todo o resto da humanidade, e que modelos de produção e consumo destruam o planeta, nossa casa comum", acrescentou.
O pontífice também se manifestou neste sábado sobre a vacina nas redes sociais. "O coronavírus produziu morte e sofrimento, afetando a vida de todos, especialmente dos mais vulneráveis. Por favor, não se esqueçam dos mais vulneráveis", postou junto das hashtags #VaxLive (referente ao show beneficente que apoiou) e #UmaVacinaParaosPobres.
O governo brasileiro também passou a apoiar as negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o assunto. A nova posição foi divulgada no fim da tarde da sexta-feira (7), em nota conjunta dos Ministérios das Relações Exteriores, da Saúde, da Economia e de Ciência, Tecnologia e Inovações.
A medida é defendida pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, há meses em meio a negociações na OMC. Em reunião na quarta-feira, 5, a diretora-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, disse que a suspensão é uma "questão tanto moral quanto econômica" e que está convencida de que um "caminho pragmático a seguir é possível".
Na quinta-feira, 6, o secretário-geral da Onu, António Guterres saudou o que chamou de "apoio sem precedentes" do governo do presidente norte-americano Joe Biden. "Abre a oportunidade para os produtores de vacinas compartilharem o conhecimento e a tecnologia que permitirão a expansão efetiva das vacinas produzidas localmente e pode aumentar significativamente o fornecimento para as instalações da Covax", disse. "Nenhum de nós estará seguro contra o vírus até que todos nós estejamos seguros."
Além disso, os copresidentes do Assembleia Parlamentar Euro-Latinoamericana (EuroLat, órgão transnacional que reúne parlamentares europeus e latinos), Óscar Darío Pérez e Javi López, defenderam que os governos de ambas as regiões também apoiem a suspensão de patentes de vacinas remédios para a covid-19. "Para facilitar o acesso e a distribuição equitativa das vacinas e tratamentos."
A demanda tem, ainda, apoio de ex-chefes de Estado, como o ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown e o ex-presidente da França François Hollande, e vencedores do prêmio Nobel, como o ex-presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o economista norte-americano Joseph Stiglitz, dentre outros.
Entre parte dos países europeus, a ideia trouxe ceticismo, especialmente porque não traria uma solução em curto prazo. O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, por exemplo, comentou que a fabricação de parte das vacinas, especialmente das que usam o chamado RNA mensageiro, como a da alemã BioNtech com a Pfizer, é complicada. Porém, ao falar sobre a necessidade de mais doses em países em desenvolvimento, apenas afirmou que eles deveriam "exportar mais". 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário