Porto Alegre, quinta-feira, 06 de maio de 2021.
Dia do Cartógrafo.
Porto Alegre,
quinta-feira, 06 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

alemanha

- Publicada em 08h20min, 06/05/2021. Atualizada em 08h22min, 06/05/2021.

Com vitória de 'geração Greta', Merkel aperta o passo de lei climática

Tribunal considerou inconstitucional o plano de Merkel de adiar fardo sobre aquecimento global

Tribunal considerou inconstitucional o plano de Merkel de adiar fardo sobre aquecimento global


Markus Schreiber/POOL/AFP/JC
Após vitória considerada histórica da chamada "geração Greta" - jovens de cerca de 20 anos cuja prioridade é evitar a mudança climática -, o governo alemão apresentou uma proposta mais dura para sua lei climática. A medida atende a uma ordem do principal tribunal do país, que considerou inconstitucional o plano do governo Merkel, por empurrar para o futuro a maior parte do fardo de cortar emissões de gases de efeito estufa.
Após vitória considerada histórica da chamada "geração Greta" - jovens de cerca de 20 anos cuja prioridade é evitar a mudança climática -, o governo alemão apresentou uma proposta mais dura para sua lei climática. A medida atende a uma ordem do principal tribunal do país, que considerou inconstitucional o plano do governo Merkel, por empurrar para o futuro a maior parte do fardo de cortar emissões de gases de efeito estufa.
O Tribunal Constitucional concordou com o argumento dos ativistas ambientais, de que a lei de Merkel praticamente acabava com suas liberdades futuras, já que seria preciso fazer sacrifícios muito maiores para evitar o aquecimento global.
Pela nova proposta, o corte de emissões até 2030 passa de 55% para 65%. O plano também prevê que a Alemanha alcance emissão líquida zero em 2045, e não mais em 2050. O gabinete de Merkel deve aprovar os números na próxima semana.
A Justiça havia dado prazo até o fim de 2022 para que o governo detalhasse novas metas, mas o governo tem pressa devido às eleições nacionais de setembro, nas quais será escolhido o sucessor de Merkel - que deixa o governo após 16 anos.
Com exceção da crise de saúde, a defesa do ambiente foi citada como a principal preocupação dos alemães na mais recente pesquisa Eurobarômetro, e o tema, que terá espaço certo nos debates eleitorais, já aparece nas intenções de voto.
Pesquisas eleitorais mostram popularidade crescente dos Verdes, enquanto os números da União (CDU-CSU) de Merkel estão em baixa. Em alguns levantamentos , Annalena Baerbock, recém-apontada candidata verde, já aparece na frente do candidato conservador Amir Laschet.
Ao apresentar as novas metas, a ministra do Meio Ambiente, Svenja Schulze, disse que elas são uma "oferta justa para a geração mais jovem". "Cada década, cada geração, assumirá sua responsabilidade."
Embora integre o gabinete de Merkel, a ministra é do social-democrata SPD, que faz parte da coalizão no poder, mas concorre com candidato próprio em setembro. As rusgas no bloco governista já haviam aparecido após a decisão da Justiça, quando o ministro das Finanças e candidato do SPD, Olaf Scholz, criticou a CDU por ter pisado no freio ao elaborar a lei sob pressão do setor industrial.
As indústrias são uma das áreas mais afetadas pela decisão de cortar a emissão de gases de efeito estufa -substâncias que absorvem parte dos raios de sol e redistribuem essa radiação na atmosfera, aquecendo o planeta-, porque isso envolve mudar suas estruturas de produção e até mesmo suas estratégias de mercado.
Entre os principais gases de efeito estufa estão o gás carbônico (CO2), produzido na queima de combustíveis como gasolina e diesel, e o metano, liberado em atividades agropecuárias. Acelerar as metas implica alterar mais rapidamente áreas como transporte, produção de alimentos, construção, produção de energia e manejo de florestas, além dos processos industriais.
A emenda apresentada pelo governo alemão também detalha melhor como será a redução, cumprindo uma das exigências do tribunal. A ideia é que as emissões de gases de efeito estufa sejam reduzidas em 25% na década de 2020, 23% na década de 2030 e 12% na de 2040, quando os cortes acumulados chegarão a 88%, segundo a ministra.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário