Porto Alegre, quarta-feira, 07 de abril de 2021.
Dia do Jornalista. Dia Mundial da Saúde.
Porto Alegre,
quarta-feira, 07 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Iraque

- Publicada em 15h48min, 07/04/2021. Atualizada em 15h50min, 07/04/2021.

EUA vai retirar tropas que ainda estão no Iraque

Todo o restante das tropas dos EUA que ainda permanece no Iraque será retirado pelo governo do democrata Joe Biden

Todo o restante das tropas dos EUA que ainda permanece no Iraque será retirado pelo governo do democrata Joe Biden


AHMAD AL-RUBAYE/AFP/JC
Todo o restante das tropas dos Estados Unidos que ainda permanece no Iraque será retirado pelo governo do democrata Joe Biden. Apenas um pequeno contingente de treinamento continuará presente no país.
Todo o restante das tropas dos Estados Unidos que ainda permanece no Iraque será retirado pelo governo do democrata Joe Biden. Apenas um pequeno contingente de treinamento continuará presente no país.
Nesta quarta-feira (7), ambos os países emitiram um comunicado conjunto no qual afirmam que “a missão dos EUA e as forças da coalizão entraram em uma transição focada no treinamento e aconselhamento” e, por isso, as tropas serão redistribuídas. Desde que assumiu o poder, o novo governo iraquiano, não conseguiu legitimar-se e seu poder se mantém com o auxílio direto de tropas militares internacionais que chegam a um contingente de 150 mil soldados estrangeiros.
Em 2003, no governo do republicano George W. Bush (2001-2209), os EUA invadiram o Iraque sob a alegação de que o presidente Saddam Hussein mantinha um arsenal de armas químicas que ameaçavam a paz mundial. Mesmo não tendo provado a existência do arsenal bélico, o governo norte-americano conseguiu levar Saddam a julgamento e à condenação.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/04/07/206x137/1_f_0000069140-9285519.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'606dfd1d14d04', 'cd_midia':9285519, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/04/07/f_0000069140-9285519.jpg', 'ds_midia': 'US President George W. Bush (R) greets troops as he has a meeting with Regimental Combat Team 2/MArine Wing Support Squadron Combat Patrol at Al-Asad Air Base in Anbar Province, Iraq, 03 September 2007. Bush made a surprise visit to Iraq on Monday for ENTITY_quot_ENTITYwar-councilENTITY_quot_ENTITY meetings with his top military advisers and Iraqi leaders to decide on a future strategy for the nation. Bush flew to Iraq on his way to Australia for a meeting of leaders from the Asia Pacific region, two hours after Gates arrived under a cloak of secrecy. He is due to meet embattled Iraqi Prime Minister Nuri al-Maliki and other top officials as well as tribal sheikhs who have given his administration hopes of a turnaround in the deadly Sunni insurgency unleashed after the toppling of Saddam Hussein in April 2003.  AFP PHOTO/Jim WATSON', 'ds_midia_credi': 'JIM WATSON/AFP/JC', 'ds_midia_titlo': 'US President George W. Bush (R) greets troops as he has a meeting with Regimental Combat Team 2/MArine Wing Support Squadron Combat Patrol at Al-Asad Air Base in Anbar Province, Iraq, 03 September 2007. Bush made a surprise visit to Iraq on Monday for ENTITY_quot_ENTITYwar-councilENTITY_quot_ENTITY meetings with his top military advisers and Iraqi leaders to decide on a future strategy for the nation. Bush flew to Iraq on his way to Australia for a meeting of leaders from the Asia Pacific region, two hours after Gates arrived under a cloak of secrecy. He is due to meet embattled Iraqi Prime Minister Nuri al-Maliki and other top officials as well as tribal sheikhs who have given his administration hopes of a turnaround in the deadly Sunni insurgency unleashed after the toppling of Saddam Hussein in April 2003.  AFP PHOTO/Jim WATSON', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '519', 'align': 'Left'}
Em 2003, no governo Bush, os EUA invadiram o Iraque sob a alegação de que Saddam Hussein mantinha armas químicas. Foto: JIM WATSON/AFP/JC
Em 30 de dezembro de 2006, Saddam foi condenado à morte por enforcamento, depois de ter sido considerado culpado e condenado por crimes contra a humanidade pelo Tribunal Especial Iraquiano pelo assassinato de 148 xiitas iraquianos na cidade de Dujail, em 1982, em retaliação a uma tentativa de assassinato contra ele.
No ano passado, o governo do republicano Donald Trump determinou a redução do contingente que ainda permanecia no Iraque. A medida, anunciada em setembro, era uma promessa do então candidato à reeleição de encerrar as "guerras intermináveis" norte-americanas no mundo. Na época, os EUA mantinham 5.200 homens no Iraque e passarram a ter 3 mil.
Comentários CORRIGIR TEXTO