Porto Alegre, quinta-feira, 25 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

argentina

- Publicada em 13h05min, 25/03/2021.

Cristina Kirchner diz que Argentina não tem como pagar FMI

Vice-presidente disse que Argentina deve US$ 44 bilhões ao Fundo Monetário Internacional

Vice-presidente disse que Argentina deve US$ 44 bilhões ao Fundo Monetário Internacional


NATACHA PISARENKO/POOL/AFP/JC
"Não temos dinheiro para pagar a dívida", disse a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, na quarta-feira (24), em um evento no feriado de memória ao golpe militar de 1976. Mesmo falando a militantes, em seu tom explosivo costumeiro, o discurso da presidente causou impacto nos mercados. A Argentina deve US$ 44 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), uma dívida contraída durante a gestão de Mauricio Macri, antecessor do atual presidente, Alberto Fernández.
"Não temos dinheiro para pagar a dívida", disse a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, na quarta-feira (24), em um evento no feriado de memória ao golpe militar de 1976. Mesmo falando a militantes, em seu tom explosivo costumeiro, o discurso da presidente causou impacto nos mercados. A Argentina deve US$ 44 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), uma dívida contraída durante a gestão de Mauricio Macri, antecessor do atual presidente, Alberto Fernández.
Nesta semana, o ministro da economia argentino está nos EUA tentando reestruturar a dívida com o fundo, e manteve conversas com a presidente do organismo, Kristalina Georgieva.
Fernández, em seu discurso de abertura de sessões legislativas, há três semanas, havia criticado Macri por haver contraído a dívida, mas que não estava nos planos do governo argentino descumprir o tratado e que a dívida seria paga, depois de reestruturada. O mercado financeiro argentino não operou na quarta-feira devido ao feriado, mas as ações de empresas argentinas em Wall Street terminaram o dia com perdas de até 7%. Também houve quedas no valor dos bônus argentinos, numa média de 2%.
Cristina fez as declarações acompanhada pelo governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, e de seu filho, o deputado Máximo Kirchner. Ambos representam os setores mais à esquerda do kirchnerismo.
Kicilloff foi ministro da economia na gestão de Cristina como presidente, e Máximo é o líder do La Cámpora, organização que reúne ativistas e políticos kirchneristas que são a base de apoio de Cristina.
Apesar da fala de Cristina, tanto Fernández como Guzmán se mostraram otimistas em conseguir reestruturar a dívida. O presidente foi muito enfático em seu mais recente discurso dizendo que "a Argentina não deixará de cumprir seus compromissos", embora esperasse uma "compreensão" por parte do fundo.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO