Porto Alegre, domingo, 28 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 28 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Argentina

- Publicada em 17h38min, 28/02/2021.

Devido a novas variantes do coronavírus, Argentina mantém fechada fronteira com o Brasil

Manifestantes se reuniram em vários pontos de Buenos Aires para protestar contra o "vacinagate"

Manifestantes se reuniram em vários pontos de Buenos Aires para protestar contra o "vacinagate"


ALEJANDRO PAGNI/AFP/JC
O governo argentino decidiu estender o fechamento das fronteiras aéreas e terrestres com o Brasil até, pelo menos, dia 12 de março. O decreto anterior dispunha que elas fossem reabertas a partir desta segunda-feira (1º), mas as autoridades sanitárias consideraram necessário manter o bloqueio e a diminuição de 50% dos voos entre os dois países.
O governo argentino decidiu estender o fechamento das fronteiras aéreas e terrestres com o Brasil até, pelo menos, dia 12 de março. O decreto anterior dispunha que elas fossem reabertas a partir desta segunda-feira (1º), mas as autoridades sanitárias consideraram necessário manter o bloqueio e a diminuição de 50% dos voos entre os dois países.
A Argentina também está fechada para estrangeiros de outros países limítrofes e do Reino Unido. Com relação a outras nações, também estão reduzidas as frequências dos voos oriundos de EUA, México e Europa, em 30%. Nesses casos, para entrar no país é preciso ser argentino ou residente. A nova ministra da saúde, Carla Vizzotti, justifica a manutenção do fechamento das fronteiras por conta das novas variantes do coronavírus.
O país ainda está numa fase muito inicial da vacinação, e apenas desde a semana passada começou a imunizar com a vacina Sputnik V cidadãos com mais de 80 anos. Na semana passada, o ministro de Saúde Ginés González García teve de renunciar depois que o jornalista Horácio Verbitsky, próximo a Cristina Kirchner, relatou que tinha sido convidado a furar a fila. Desde então, veio à tona que mais de 70 pessoas próximas ao governo haviam sido vacinadas. Foram imunizados políticos, assessores de políticos, ex-presidentes, familiares e até mesmo jornalistas de meios alinhados ao governo. 
No sábado (27), centenas de pessoas se reuniram em vários pontos de Buenos Aires, entre eles o Obelisco e a praça do Congresso, para protestar contra o "vacinagate" - como vem sendo chamado o escândalo. Os manifestantes carregavam bandeiras argentinas e cartazes com inscrições contra o governo e pedindo vacinas à população.
Ao longo da semana, a Justiça levou adiante algumas buscas e apreensões em locais onde há a suspeita de que foram usados como centros de vacinação para estes selecionados, entre eles o hospital Posadas, um dos maiores da Argentina, e o próprio edifício do Ministério da Saúde.
Comentários CORRIGIR TEXTO