Porto Alegre, terça-feira, 23 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 23 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

europa

- Publicada em 10h52min, 23/02/2021. Atualizada em 15h21min, 23/02/2021.

Von der Leyen defende redução de dependência de matérias-primas importadas

Presidente da Comissão Europeia ainda afirmou que é preciso apostar em recursos renováveis

Presidente da Comissão Europeia ainda afirmou que é preciso apostar em recursos renováveis


FRANCOIS LENOIR/AFP/JC
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, defendeu nesta terça-feira (23) a redução da dependência no bloco de matérias-primas importadas do exterior, sobretudo da China. Em discurso durante abertura de um evento para a indústria europeia, a política alemã afirmou que é preciso "diversificar as cadeias produtivas" e apostar em recursos renováveis.
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, defendeu nesta terça-feira (23) a redução da dependência no bloco de matérias-primas importadas do exterior, sobretudo da China. Em discurso durante abertura de um evento para a indústria europeia, a política alemã afirmou que é preciso "diversificar as cadeias produtivas" e apostar em recursos renováveis.
Como exemplo, Von der Leyen destacou a produção das vacinas contra a Covid-19, que depende exclusivamente de duas moléculas fabricadas em outros países. Ela também ressaltou o setor de tecnologias verdes. "Importamos lítio para carros elétricos, platina para produzir hidrogênio limpo, metal de silício para painéis solares. 98% dos elementos de terras raras que precisamos vêm de um único fornecedor: a China", afirmou.
Para solucionar esse gargalo, Von der Leyen revelou que a UE trabalha na implementação da Aliança Europeia de Matérias-primas. "Nossa Estratégia ainda foi projetada para garantir que a indústria possa liderar a transição verde e digital", salientou.
A líder do órgão executivo também comentou a intenção de reformar o mecanismo de mercado único do bloco. Entre as propostas, ela advogou pela retirada de todas as restrições a itens essenciais. "O mercado único torna a Europa forte. Então devemos preservá-lo e fazê-lo funcionar, em todas as circunstâncias, especialmente quando mais precisamos", argumentou.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO