Porto Alegre, terça-feira, 26 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 26 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 16h47min, 26/01/2021.

Senado dos EUA aprova nomeação de Antony Blinken para secretário de Estado

Blinken disse que concorda com a posição do ex-presidente Donald Trump em relação à China

Blinken disse que concorda com a posição do ex-presidente Donald Trump em relação à China


Mark Makela/Getty Images/AFP/JC/
O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta terça-feira (26), a nomeação de Antony Blinken, 58 anos, para o cargo de secretário de Estado. Foram 78 votos favoráveis à indicação e 22 contrários. O democrata, que será o 71º a ocupar a posição de principal diplomata norte-americano, é amigo de longa data do presidente Joe Biden.
O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta terça-feira (26), a nomeação de Antony Blinken, 58 anos, para o cargo de secretário de Estado. Foram 78 votos favoráveis à indicação e 22 contrários. O democrata, que será o 71º a ocupar a posição de principal diplomata norte-americano, é amigo de longa data do presidente Joe Biden.
Durante uma sabatina no Comitê de Relações Exteriores do Senado, realizada na semana passada, Blinken disse que concordava com a posição do ex-presidente Donald Trump em relação à China. "Temos obrigação de mostrar que nosso modelo é mais efetivo que o da China", afirmou na ocasião. Ele também declarou que buscará retomar o Acordo Nuclear com o Irã, mas ponderou que há "um longo caminho" para que esse objetivo seja alcançado.
Blinken atuou como secretário adjunto de Estado, de 2015 a 2017, e foi assessor adjunto de Segurança Nacional dos EUA, entre 2013 e 2015, durante o governo Barack Obama.
Além do secretário de Estado, também já foram confirmados pelo Senado a secretária do Tesouro, Janet Yellen, o secretário de Defesa, Lloyd Austin, e a diretora de Inteligência Nacional, Avril Haines.
Comentários CORRIGIR TEXTO