Porto Alegre, sábado, 26 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

RELAÇÕES EXTERIORES

- Publicada em 16h01min, 26/12/2020.

Governo brasileiro condena ataque terrorista na Nigéria

O governo brasileiro condenou "com veemência" o ataque terrorista ocorrido na véspera do Natal na cidade de Pemi, na Nigéria. Por meio de nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores neste sábado (26), o Brasil prestou condolências às famílias das vítimas e afirmou que "reitera seu firme repúdio a todo e qualquer ato de terrorismo, independentemente de sua motivação".
O governo brasileiro condenou "com veemência" o ataque terrorista ocorrido na véspera do Natal na cidade de Pemi, na Nigéria. Por meio de nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores neste sábado (26), o Brasil prestou condolências às famílias das vítimas e afirmou que "reitera seu firme repúdio a todo e qualquer ato de terrorismo, independentemente de sua motivação".
"O governo brasileiro expressa as suas condolências às famílias das vítimas, faz votos de plena recuperação aos feridos, exorta à pronta libertação dos sequestrados e manifesta sua solidariedade ao governo e ao povo da Nigéria", diz a nota.
Segundo a pasta, pelo menos 11 pessoas foram mortas no ataque terrorista na cidade, de maioria cristã. Outras sete pessoas foram sequestradas e o hospital e igreja, destruídos. Ao lamentar o aumento de ações terroristas no País, o Itamaraty cita o sequestro de mais de 300 crianças.
Os estudantes foram entregues aos agentes de segurança do governo nigeriano em 17 de dezembro. O ato foi reivindicado pelo grupo jihadista Boko Haram.
"O governo brasileiro reitera, igualmente, sua determinação de trabalhar com todos os parceiros contra o terrorismo, inclusive mediante uma crescente investigação e enfrentamento das conexões do terrorismo com o narcotráfico e outras formas do crime organizado transnacional, notadamente, neste caso, as conexões entre o narcotráfico na América do Sul e o terrorismo na África", diz o comunicado.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO