Porto Alegre, sexta-feira, 25 de dezembro de 2020.
Natal.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 25 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 11h05min, 25/12/2020.

EUA terá, em 2020, o maior número de mortes em toda sua história

Mortes nos EUA em 2020 somam 3 milhões, de longe o maior número já contado

Mortes nos EUA em 2020 somam 3 milhões, de longe o maior número já contado


Joshua Roberts/Getty Images/AFP/jc
Este é o ano mais mortal da história dos Estados Unidos, com mortes esperadas em 3 milhões pela primeira vez - devido principalmente à pandemia de coronavírus. Os dados finais de mortalidade para este ano não estarão disponíveis por meses. Mas os números preliminares sugerem que os EUA estão a caminho de ter mais de 3,2 milhões de mortes em 2020, ou pelo menos 400 mil a mais do que em 2019.
Este é o ano mais mortal da história dos Estados Unidos, com mortes esperadas em 3 milhões pela primeira vez - devido principalmente à pandemia de coronavírus. Os dados finais de mortalidade para este ano não estarão disponíveis por meses. Mas os números preliminares sugerem que os EUA estão a caminho de ter mais de 3,2 milhões de mortes em 2020, ou pelo menos 400 mil a mais do que em 2019.
As mortes nos EUA aumentam na maioria dos anos, então algum aumento anual nas fatalidades é esperado. Mas os números de 2020 representam um salto de cerca de 15% e podem aumentar quando todas as mortes deste mês forem contadas.
Isso marcaria o maior salto porcentual em um único ano desde 1918, quando milhares de soldados norte-americanos morreram na Primeira Guerra Mundial e outros milhares de norte-americanos morreram em uma pandemia de gripe. As mortes aumentaram 46% naquele ano, em comparação com 1917.
A Covid-19 matou mais de 325 mil norte-americanos e segue em contagem. Antes de acontecer, havia motivos para ter esperança sobre as tendências de morte nos EUA.
A taxa de mortalidade geral do país caiu um pouco em 2019, devido à redução nas doenças cardíacas e nas mortes por câncer. E a expectativa de vida aumentou - em várias semanas - pelo segundo ano consecutivo, de acordo com dados do atestado de óbito divulgados na terça-feira (22) pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).
Mas a expectativa de vida em 2020 pode acabar caindo em até três anos completos, disse Robert Anderson, do CDC.
O órgão contabilizou 2.854.838 mortes nos EUA no ano passado, ou quase 16 mil a mais do que em 2018. Isso é uma notícia bastante boa: as mortes geralmente aumentam em cerca de 20 mil a 50 mil a cada ano, principalmente devido ao envelhecimento e ao crescimento da população. De fato, a taxa de mortalidade ajustada por idade caiu cerca de 1% em 2019, e a expectativa de vida aumentou cerca de seis semanas para 78,8 anos, relatou o CDC.
A epidemia de coronavírus nos Estados Unidos foi um grande impulsionador de mortes neste ano, tanto direta quanto indiretamente.
O vírus foi identificado pela primeira vez na China no ano passado e os primeiros casos nos EUA foram relatados este ano. Mas se tornou a terceira principal causa de morte, atrás apenas de doenças cardíacas e câncer. Por certos períodos deste ano, a Covid-19 foi a assassina número 1. Mas alguns outros tipos de mortes também aumentaram.
Um surto de casos de pneumonia no início deste ano pode ter sido mortes por Covid-19, que simplesmente não foram reconhecidas como tal no início da epidemia. Mas também houve um número inesperado de mortes por certos tipos de doenças cardíacas e circulatórias, diabetes e demência, disse Anderson.
Muitos deles também podem estar relacionados à Covid. O vírus pode ter enfraquecido os pacientes que já lutam contra essas condições ou pode ter diminuído o atendimento que estavam recebendo, disse ele.
No início da epidemia, alguns estavam otimistas de que as mortes por acidentes de carro diminuiriam à medida que as pessoas parassem de se deslocar ou dirigir para eventos sociais. Os dados sobre isso ainda não foram divulgados, mas relatos sugerem que não houve tal declínio.
As mortes por suicídio caíram em 2019 em comparação com 2018, mas as primeiras informações sugerem que não continuaram a cair neste ano. As mortes por overdose de drogas, entretanto, ficaram muito piores.
Antes mesmo de o coronavírus chegar, os EUA estavam no meio da epidemia de overdose de drogas mais mortal de sua história. Os dados de 2020 ainda não estão disponíveis. Mas na semana passada o CDC relatou mais de 81 mil mortes por overdose de drogas nos 12 meses que terminaram em maio, tornando-se o maior número já registrado em um período de um ano.
Os especialistas acreditam que a interrupção da pandemia no tratamento presencial e nos serviços de recuperação pode ter sido um fator. As pessoas também têm maior probabilidade de tomar drogas sozinhas - sem o benefício de um amigo ou membro da família que pode ligar para o 911 ou administrar medicamentos para reversão da overdose.
Mas talvez um fator maior sejam as próprias drogas: a Covid-19 causou problemas de abastecimento para os traficantes, então eles estão cada vez mais misturando fentanil barato e mortal em heroína, cocaína e metanfetamina, disseram os especialistas. "Não suspeito que haja um monte de gente nova que de repente começou a usar drogas por causa da Covid. Na verdade, acho que o suprimento de pessoas que já usam drogas está mais contaminado", afirmou Shannon Monnat, pesquisadora da Syracuse University que estuda tendências de overdose de drogas.
Comentários CORRIGIR TEXTO