Porto Alegre, quarta-feira, 25 de novembro de 2020.
Dia do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 25 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

China

- Publicada em 16h38min, 25/11/2020.

Xi Jinping parabeniza formalmente Biden pela vitória na eleição dos EUA

Chinese President Xi Jinping speaks during a joint presser after a bilateral meeting with his Brazilian counterpart Jair Bolsonaro (out of frame) at Itamaraty Palace in Brasilia, Brazil, on November 13, 2019. - Brazil's President Jair Bolsonaro walked a diplomatic tightrope, as he seeks to boost ties with Beijing and avoid upsetting key ally Donald Trump, on the eve of a summit with their BRICS counterparts from Russia, India and South Africa. (Photo by Sergio LIMA / AFP)
      Caption

Chinese President Xi Jinping speaks during a joint presser after a bilateral meeting with his Brazilian counterpart Jair Bolsonaro (out of frame) at Itamaraty Palace in Brasilia, Brazil, on November 13, 2019. - Brazil's President Jair Bolsonaro walked a diplomatic tightrope, as he seeks to boost ties with Beijing and avoid upsetting key ally Donald Trump, on the eve of a summit with their BRICS counterparts from Russia, India and South Africa. (Photo by Sergio LIMA / AFP) Caption


SERGIO LIMA/AFP/JC
O presidente da China, Xi Jinping, enviou, nesta quarta-feira (25), uma declaração formal parabenizando o presidente eleito nos Estados Unidos, Joe Biden. A declaração chinesa ocorre semanas após a confirmação da vitória, contestada sem evidências pelo presidente Donald Trump, o qual vem dificultando o trabalho da equipe de transição do democrata.
O presidente da China, Xi Jinping, enviou, nesta quarta-feira (25), uma declaração formal parabenizando o presidente eleito nos Estados Unidos, Joe Biden. A declaração chinesa ocorre semanas após a confirmação da vitória, contestada sem evidências pelo presidente Donald Trump, o qual vem dificultando o trabalho da equipe de transição do democrata.
A reação inicial da China à eleição presidencial dos EUA foi cautelosa. Pequim se limitou a enfatizar em 13 de novembro que os resultados deveriam ser confirmados "de acordo com a lei dos Estados Unidos".
Xi Jinping expressou esperança de que os dois países possam promover o desenvolvimento saudável e estável das relações, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua. Em sua mensagem a Biden, ele disse que "o desenvolvimento saudável e estável das relações EUA-China é consistente com os interesses fundamentais de ambos os povos".
O vice-presidente chinês Wang Qishan parabenizou a companheira de chapa de Biden, Kamala Harris, por ter sido eleita vice-presidente.
A China era um dos poucos países que ainda não tinha entrado em contato, por meio da presidência, para parabenizar Biden. Pelo país asiático, o Ministério das Relações Exteriores já havia se pronunciado, na semana passada, sobre a vitória.
As relações entre os Estados Unidos e a China estão em um ponto historicamente baixo devido à enérgica agenda diplomática e comercial de Trump, que impôs tarifas, sanções às empresas do gigante asiático e manteve uma retórica inflamada contra a China.
No início da crise do coronavírus na cidade chinesa de Wuhan, Trump acusou Pequim de falta de transparência e de ter recebido o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS).
Comentários CORRIGIR TEXTO