Porto Alegre, terça-feira, 10 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 10 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 11h51min, 10/11/2020.

Eleições EUA: Advogado-geral permite investigações de fraude eleitoral

William Barr autorizou procuradores a investigar 'alegações substanciais' de irregularidades

William Barr autorizou procuradores a investigar 'alegações substanciais' de irregularidades


MANDEL NGAN / AFP/JC
O advogado-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse a procuradores na segunda-feira (9) que eles tinham permissão para investigar as acusações de fraude eleitoral antes que os resultados da disputa à Presidência sejam oficialmente confirmados.
O advogado-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse a procuradores na segunda-feira (9) que eles tinham permissão para investigar as acusações de fraude eleitoral antes que os resultados da disputa à Presidência sejam oficialmente confirmados.
Em um memorando, Barr autorizou os procuradores do país a investigar "alegações substanciais" de irregularidades, frisando que "declarações exageradas, especulativas, ilusórias ou fantasiosas não devem servir de base para abrir inquéritos federais". Com o gesto, o advogado-geral legitima as acusações do presidente e candidato derrotado, Donald Trump, de que a eleição teria sido fraudada para favorecer o Partido Democrata, e ignora uma diretriz prévia do departamento de Justiça do país que recomenda manter os resultados eleitorais longe dos tribunais.
Paradoxalmente, semanas antes da eleição o mesmo departamento de Justiça suspendeu a proibição das investigações de fraude eleitoral antes da eleição, devido a receios de diminuir o comparecimento ou criar suspeitas sobre os resultados. Até o momento, os advogados da campanha de Trump protocolaram cerca de uma dúzia de contestações aos resultados nos estados-chave, mas nenhuma delas parece ganhar tração nos tribunais. E nenhuma deles, tampouco, seria capaz de virar o resultado por si só.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO