Porto Alegre, domingo, 08 de novembro de 2020.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 08 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 20h48min, 08/11/2020.

Eleições EUA: 2º turno na Geórgia define controle do Senado; histórico favorece republicanos

No momento, situação no Senado é de empate, com 48 republicanos e 48 democratas

No momento, situação no Senado é de empate, com 48 republicanos e 48 democratas


Jessica McGowan/Getty Images/AFP/JC
Duas disputas de segundo turno na Geórgia devem determinar o controle do Senado dos Estados Unidos, a fim de saber se o presidente eleito Joe Biden terá ou não maioria democrata nas duas Casa do Congresso ao iniciar seu governo.
Duas disputas de segundo turno na Geórgia devem determinar o controle do Senado dos Estados Unidos, a fim de saber se o presidente eleito Joe Biden terá ou não maioria democrata nas duas Casa do Congresso ao iniciar seu governo.
Neste momento, a situação no Senado é de empate, com 48 republicanos e 48 democratas. Quatro cadeiras estão em aberto: além de duas da Geórgia, o Partido Republicano lidera a apuração e deve vencer no Alasca e na Carolina do Norte, com contagens ainda em andamento.
Caso o resultado provável se confirme, os democratas terão de vencer as duas disputas na Geórgia em 5 de janeiro para conseguir o controle de 50 cadeiras. Isso daria ao partido a maioria, já que a vice-presidente eleita, Kamala Harris, acumula o papel de presidente do Senado e poderia decidir questões empatadas. A Câmara dos Representantes deve seguir sob controle democrata, embora com uma maioria menor.
As disputas de segundo turno da Geórgia testarão o quanto o panorama político mudou. Neste domingo, Biden estava à frente do presidente Donald Trump por cerca de 10 mil votos na apuração local, com quase 5 milhões de votos contabilizados. Deve haver recontagem na disputa presidencial no Estado, diante da margem muito estreita, a menor na Geórgia neste momento desde a Guerra Civil Americana. Se Biden vencer e levar na Geórgia, ele será o primeiro democrata a conseguir isso desde 1992.
A lei eleitoral do estado é diferente para candidatos ao Senado e à Câmara. Se nenhum candidato conseguir mais de 50% dos votos mais um, os dois mais votados realizam segundo turno. No Senado, uma das disputas de janeiro na Geórgia será entre o senador David Perdue, republicano, contra o democrata Jon Ossoff, um documentarista que nunca teve cargo político. Na outra, o democrata Raphael Warnock, pastor de uma igreja batista em Atlanta, tenta derrotar a senadora republicana Kelly Loeffler, empresária apontada no ano passado pelo governador republicano da Geórgia, Brian Kemp, para preencher a cadeira do republicano Johnny Isakson, que havia se aposentado.
Perdue e Loeffler são vistos como aliados próximos de Trump, enquanto os dois rivais democratas têm sido críticos ao atual presidente. Os republicanos dominam a política da Geórgia há décadas, mas o Partido Democrata tem ganhado força, com o apoio de eleitores mais jovens e de minorias, muitos dos quais se mudaram para a região metropolitana de Atlanta vindos do norte do país.
Uma questão importante é se os democratas comparecerão ao segundo turno para o Senado com o mesmo peso da eleição geral. Um estudo do histórico de segundos turnos na Geórgia concluiu que, desde 1988, os democratas venceram apenas uma das sete disputas ocorridas, em 1998.
Comentários CORRIGIR TEXTO