Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Bolívia

- Publicada em 08h51min, 06/11/2020.

Presidente eleito da Bolívia é alvo de ataque com dinamite, mas sai ileso, diz agremiação

A vitória de Arce nas eleições de outubro sinalizou um retorno à normalidade democrática um ano após a saída de Evo Morales

A vitória de Arce nas eleições de outubro sinalizou um retorno à normalidade democrática um ano após a saída de Evo Morales


AIZAR RALDES/AFP/Divulgação/JC
O presidente eleito da Bolívia, Luis Arce, foi alvo de um ataque com dinamites na noite desta quinta-feira (5), mas não ficou ferido, disse um porta-voz do partido MAS (Movimento Ao Socialismo) à imprensa local. De acordo com a agremiação, um grupo de manifestantes deixou os explosivos em um escritório de campanha em La Paz enquanto acontecia uma reunião de dirigentes da qual Arce participava. A polícia está investigando o incidente e não há relatos de feridos.
O presidente eleito da Bolívia, Luis Arce, foi alvo de um ataque com dinamites na noite desta quinta-feira (5), mas não ficou ferido, disse um porta-voz do partido MAS (Movimento Ao Socialismo) à imprensa local. De acordo com a agremiação, um grupo de manifestantes deixou os explosivos em um escritório de campanha em La Paz enquanto acontecia uma reunião de dirigentes da qual Arce participava. A polícia está investigando o incidente e não há relatos de feridos.
O porta-voz do MAS, Sebastián Michel, disse que Arce ainda não conta com escolta das forças de segurança. "Estamos muito preocupados com o que está acontecendo. Sentimos que estamos à mercê de nós mesmos, totalmente desprotegidos e ninguém nos dá a garantia necessária para a segurança de nossa autoridade", disse Michel em entrevista a meios de comunicação locais.
A posse de Arce está prevista para acontecer no domingo (8). Sua vitória nas eleições de outubro sinalizou um retorno à normalidade democrática quase um ano depois de o presidente Evo Morales renunciar, pressionado por protestos e pelas Forças Armadas.
Comentários CORRIGIR TEXTO