Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Imigração

- Publicada em 11h16min, 17/10/2020.

Pandemia de coronavírus fez mais de 2,75 milhões de migrantes ficarem 'encalhados'

Falta de condições sanitárias deixa os imigrantes mais vulneráveis tanto ao coronavírus como a outras doenças

Falta de condições sanitárias deixa os imigrantes mais vulneráveis tanto ao coronavírus como a outras doenças


BULENT KILIC/AFP/JC
Além de deixar 2,75 milhões de migrantes "encalhados" em algum ponto do globo sem poder voltar para casa, a pandemia de coronavírus os expôs a violência inédita, principalmente pelos discursos de ódio que circularam na internet, afirma a Organização Internacional para Migrações (OIM), ligada à ONU.
Além de deixar 2,75 milhões de migrantes "encalhados" em algum ponto do globo sem poder voltar para casa, a pandemia de coronavírus os expôs a violência inédita, principalmente pelos discursos de ódio que circularam na internet, afirma a Organização Internacional para Migrações (OIM), ligada à ONU.
Segundo o diretor-geral da agência, António Vitorino, embora estigma, discriminação e ataques xenófobos façam parte há anos da experiência dos migrantes, "a extensão em que a mídia social serviu como incubadora e amplificadora do discurso de ódio é um fenômeno profundamente preocupante".
Vitorino pediu a criminalização de "formas extremas de discurso de ódio, incluindo incitamento à discriminação à e violência", além da responsabilização de seus autores. "A violência que vimos dirigida aos migrantes e a outras pessoas vulneráveis é imperdoável", afirmou o chefe a IOM.
A IOM considera migrantes "encalhados" os que querem voltar a seu país de residência mas estão impedidos de voltar. O levantamento foi feito durante três meses, em 382 locais de 101 países.
Os 2,75 milhões são os que procuraram a IOM ou foram encaminhados à entidade por governos, entidades civis ou outras agências da ONU, com pedidos de assistência por falta de comida, água e abrigo. O número, segundo o órgão, "está largamente subestimado".
Além de virarem alvo de discursos de ódio, eles ficam expostos a exploração e violência, como trabalho escravo, tráfico humano e exploração sexual. A falta de condições sanitárias também os deixa mais vulneráveis tanto ao coronavírus como a outras doenças.
De acordo com Vitorino, a IOM pediu aos países que incluíssem esses migrantes em seus planos de combate à Covid-19, mas, mesmo quando os governos atenderam aos pedidos, muitos dos estrangeiros não procuram auxílio, por medo de que houvesse reprimenda devido à condição imigratória irregular.
Em alguns locais eles foram "armazenados em condições nada higiênicas", sem condições básicas de higiene e distanciamento físico, elevando o risco de doenças e de mais discriminação, diz a IOM.
Entre as barreiras que impedem o movimento dos migrantes estão fronteiras fechadas, restrições de viagem e a incapacidade de seus países de origem de recebê-los de volta. Vitorino afirma que a abertura de corredores de trabalho ajudou a reduzir os gargalos e a mitigar os impactos econômicos da pandemia, mas é preciso medidas públicas para que a reabertura de caminhos alcance mais países.
O levantamento da IOM mostra que 220 países no mundo impuseram mais de 91 mil diferentes restrições ao movimento a partir de março deste ano. Como resultado, a agência recebeu quase 115 mil pedidos para ajudar migrantes "encalhados" a voltar para casa.
Há também cerca de 400 mil marinheiros presos em navios por causa da pandemia, alguns deles por até 17 meses - ou 6 meses além do tempo máximo que eles poderiam ficar no mar.
Embora alerte para "grave crise humanitária", a IOM listou países que permitiram aos migrantes acesso a saúde, independentemente de seu status migratório ou seguro, e forneceram alimentação e acomodação.
Canadá, Portugal, Itália e Alemanha ajustaram o regime de vistos para trabalhadores sazonais à luz das restrições de mobilidade impostas pela pandemia. O governo do Qatar anunciou que os trabalhadores migrantes em quarentena ou em tratamento receberão salários integrais, enquanto a Eslováquia estendeu as permissões de residência para não cidadãos como uma medida de crise excepcional.
Comentários CORRIGIR TEXTO