Porto Alegre, quinta-feira, 15 de outubro de 2020.
Dia do Professor.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 15 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 21h22min, 14/10/2020.

Bloco europeu promete sanções contra Rússia por caso Navalni

Opositor russo Alexei Navalni foi envenenado com novichock em Omsk, na Sibéria

Opositor russo Alexei Navalni foi envenenado com novichock em Omsk, na Sibéria


Instagram @navalny/AFP/JC
O alto representante do Conselho de Política Externa da União Europeia (UE), Josep Borrell, disse que o bloco vai impor sanções contra a Rússia em razão do envenenamento do líder opositor Alexei Navalni. "A UE deseja abrir canais de comunicação com a Rússia e fortalecer cooperação em assuntos de interesse mútuo e continuará a defender os seus interesses e valores, incluindo o respeito pelo direito internacional e pelos direitos fundamentais."
O alto representante do Conselho de Política Externa da União Europeia (UE), Josep Borrell, disse que o bloco vai impor sanções contra a Rússia em razão do envenenamento do líder opositor Alexei Navalni. "A UE deseja abrir canais de comunicação com a Rússia e fortalecer cooperação em assuntos de interesse mútuo e continuará a defender os seus interesses e valores, incluindo o respeito pelo direito internacional e pelos direitos fundamentais."
Mais cedo, Alemanha e França já haviam dito que o bloco teria de responsabilizar a Rússia pelo envenenamento. O líder opositor passou mal em um voo da Sibéria para Moscou, em 20 de agosto. Ele primeiro ficou internado em Omsk e depois, a pedido da família, foi para Berlim. Lá, exames apontaram que ele havia sido envenenado com novichock, uma substância desenvolvida pelos soviéticos.
O chanceler da Rússia, Serguei Lavrov, pediu, na terça-feira (13), em conversa com Borrell pelo telefone, que o bloco não "instigue sentimentos antirrussos" durante a avaliação do caso Navalni.
Comentários CORRIGIR TEXTO