Porto Alegre, sexta-feira, 02 de outubro de 2020.
Dia Internacional do Notário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 02 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 13h40min, 02/10/2020. Atualizada em 14h57min, 02/10/2020.

Joe Biden e esposa testam negativo para Covid-19

Biden realizou o teste após Trump anunciar que está contaminado

Biden realizou o teste após Trump anunciar que está contaminado


NICHOLAS KAMM/AFP/JC
Atualizada às 14h07min
Atualizada às 14h07min
O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, e sua mulher, Jill, testaram negativo para Covid-19, declarou a sua campanha nesta sexta-feira (2).
Biden e sua mulher fizeram o teste nesta manhã, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que disputa a reeleição, ter sido diagnosticado com o novo coronavírus. Baker cita que a informação partiu do médico da família.
O ex-vice-presidente participou de um debate com Donald Trump na terça-feira (29) durante 90 minutos, em um ambiente fechado, e com os participantes sem máscaras. Trump anunciou por volta da 1h da manhã desta sexta-feira que está com Covid-19, e deu início à quarentena na madrugada. A notícia causa uma reviravolta na corrida eleitoral norte-americana, e os efeitos do diagnóstico, que é feito a 32 dias do pleito, ainda são incertos.
Trump e Biden estiveram juntos ainda esta semana, quando participaram do primeiro debate eleitoral da corrida presidencial. Os candidatos não deram apertos de mão, nem entre si, nem com o moderador. Nem Trump nem Biden, porém, usaram máscara enquanto estiveram dentro do estúdio.
A pandemia foi um dos temas que pautou as discussões. Na ocasião, Trump trouxe à tona a perspectiva econômica e acusou Biden de querer "paralisar" novamente o país como medida de contenção do coronavírus. "Fechamos a economia e estamos reabrindo e estamos fazendo negócios de forma recorde. Ele vai paralisar de novo, ele vai destruir esse país", afirmou.
Já Biden atacou a gestão do presidente durante a pandemia de coronavírus, uma das principais plataformas de campanha do democrata e um calcanhar de Aquiles na campanha republicana, pois a maioria dos eleitores reprova a resposta de Trump à crise de saúde.
"Ele sabia desde fevereiro quão sério isso era, sabia que era mortal. O que ele fez? Ele disse que não queria criar pânico. Ele entrou em pânico", disse Biden. "Quantos de vocês acordaram essa manhã e tiveram uma cadeira vazia na mesa da cozinha de alguém que morreu de Covid?", questionou o democrata.
Agora, além de dar maior destaque ao tema durante a campanha, a infecção de Trump por Covid-19 também coloca em xeque a realização dos próximos dois debates com o democrata Joe Biden.
O próximo encontro entre os dois candidatos está agendado para o dia 15 de outubro. A imprensa norte-americana já discute também o que acontecerá em um cenário mais grave, caso Trump sofra com complicações da doença e esteja com a saúde ameaçada no dia da eleição, em 3 de novembro.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO