Porto Alegre, terça-feira, 22 de setembro de 2020.
Início da Primavera. Dia do Contador. Dia Mundial sem Carro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 22 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 18h12min, 22/09/2020.

Jornal ligado a governo da China sinaliza que Pequim não vai ceder aos EUA em caso TikTok

Trump ordenou que TikTok fosse vendida a uma empresa norte-americana, sob pena de proibição nos EUA

Trump ordenou que TikTok fosse vendida a uma empresa norte-americana, sob pena de proibição nos EUA


LIONEL BONAVENTURE/JIM WATSON/AFP/JC
O editor do jornal Global Times, Hu Xijin, sinalizou nesta terça-feira (22), em sua conta oficial no Twitter, que a China não deve ceder às demandas dos Estados Unidos no caso TikTok. A publicação é altamente ligada à cúpula de Pequim.
O editor do jornal Global Times, Hu Xijin, sinalizou nesta terça-feira (22), em sua conta oficial no Twitter, que a China não deve ceder às demandas dos Estados Unidos no caso TikTok. A publicação é altamente ligada à cúpula de Pequim.
Em resposta a uma matéria publicada pela Bloomberg em que o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmava que a empresa chinesa ByteDance não manteria o controle do aplicativo TikTok se a transação com a Oracle fosse bem sucedida, Hu afirmou que o republicano deveria "parar de extorquir".
"Você acha que o TikTok é uma empresa de um país pequeno? Não há como o governo chinês aceitar sua demanda", declarou o editor do Global Times, no Twitter. "Você pode arruinar os negócios do TikTok nos EUA, se os usuários dos EUA não se opuserem, mas não pode roubá-lo e transformá-lo em um bebê norte-americano", completou.
Washington e Pequim têm travado uma batalha em torno do aplicativo chinês TikTok, muito popular nos EUA. Trump ordenou que a plataforma fosse vendida a uma empresa norte-americana, sob pena de proibição no país, alegando que o governo chinês utiliza a ferramenta para fins de espionagem. A Oracle confirmou interesse no negócio, mas os termos da transação ainda não ganharam o aval do Partido Comunista chinês.
Comentários CORRIGIR TEXTO