Porto Alegre, sábado, 12 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 12 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aviação

- Publicada em 10h11min, 12/09/2020. Atualizada em 12h18min, 12/09/2020.

Após ter empréstimo negado nos EUA, Latam vê cerco se fechar

Empréstimo de US$ 2,45 bilhões, captado junto às famílias Cueto e Amaro, não foi aceito pela corte

Empréstimo de US$ 2,45 bilhões, captado junto às famílias Cueto e Amaro, não foi aceito pela corte


Latam Brasil/Divulgação/JC
A companhia aérea chilena Latam não conseguir convencer a Justiça americana a aceitar o modelo de sua capitalização. A ordem para a empresa, que tem relevantes operações no Brasil, é uma só, segundo especialistas em recuperação judicial: encontrar outra fonte de dinheiro, e rápido.
A companhia aérea chilena Latam não conseguir convencer a Justiça americana a aceitar o modelo de sua capitalização. A ordem para a empresa, que tem relevantes operações no Brasil, é uma só, segundo especialistas em recuperação judicial: encontrar outra fonte de dinheiro, e rápido.
A Latam havia acertado um empréstimo de US$ 2,45 bilhões com as famílias Cueto e Amaro - acionistas da companhia -, a Qatar Airways e o fundo Oaktree Capital. No entanto, o empréstimo - no modelo DIP, que dá preferência de pagamento a quem ajudou a empresa no momento de dificuldade - não foi aceito pela corte responsável pela recuperação da companhia nos EUA.
A decisão foi proferida pelo juiz James L. Garrity Jr., da corte de falências de Nova York, em uma sentença longa, de mais de 100 páginas.
A sócia do escritório de advocacia PGLaw, Maria Fabiana Dominguez Sant'Ana, diz que a decisão é um revés que pode ser contornado. A especialista destacou, porém, que não é comum a Justiça americana interferir em processos como esse.
"O problema foi eles entenderem que os acionistas estariam se beneficiando. Não é grave ao ponto de não ser contornável, mas é algo que não costuma acontecer", comenta.
O sócio de ASBZ Advogados e especialista em insolvência, Bruno Chiaradia, a Latam tem um desafio pela frente para avançar com seu plano de recuperação judicial. "É uma grande frustração. Levaram o processo para os Estados Unidos para ele ser viabilizado com maior segurança”, relata. Segundo ele, a companhia está em xeque, já que o DIP na forma como foi proposto não deu certo. “Ele era o carro-chefe para a recuperação da empresa. A empresa terá de viabilizar um novo formato", acrescenta.
Comentários CORRIGIR TEXTO