Porto Alegre, sábado, 12 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 12 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Nova Zelândia

- Publicada em 09h12min, 12/09/2020.

Nova Zelândia é eleita por brasileiros como o país mais seguro para intercâmbio após a pandemia

Em Junho, Jacinda chegou a anunciar que o país não tinha novos casos ativos de Covid-19

Em Junho, Jacinda chegou a anunciar que o país não tinha novos casos ativos de Covid-19


MARK MITCHELL/AFP/JC
A pandemia do novo coronavírus, decretada em 11 de março pela Organização Mundial da Saúde (OMS), barrou os planos de intercâmbio de muitos estudantes em todo o mundo. Diante da nova situação sanitária mundial, a Nova Zelândia foi considerada por estudante brasileiros o destino mais seguro pós-pandemia em pesquisa realizada pela Belta (Brazilian Educational & Language Travel Association).
A pandemia do novo coronavírus, decretada em 11 de março pela Organização Mundial da Saúde (OMS), barrou os planos de intercâmbio de muitos estudantes em todo o mundo. Diante da nova situação sanitária mundial, a Nova Zelândia foi considerada por estudante brasileiros o destino mais seguro pós-pandemia em pesquisa realizada pela Belta (Brazilian Educational & Language Travel Association).
Ainda de acordo com o estudo, que coletou a opinião de estudantes de 22 estados de todas as regiões do País, a Nova Zelândia é vista como o país mais competente no controle da pandemia. A Belta é a entidade que reúne as principais empresas do setor de intercâmbio do Brasil.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/11/206x137/1_unnamed__1_-9134417.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f5bdba51bf1c', 'cd_midia':9134417, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/11/unnamed__1_-9134417.jpg', 'ds_midia': 'Estudo sobre o impacto da Covid-19 no setor de intercâmbio foi realizado entre julho e agosto com estudantes de 22 estados, de todas as regiões do Brasil, que têm interesse em realizar cursos no exterior    ', 'ds_midia_credi': 'Pesquisa Selo Belta 2020/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Estudo sobre o impacto da Covid-19 no setor de intercâmbio foi realizado entre julho e agosto com estudantes de 22 estados, de todas as regiões do Brasil, que têm interesse em realizar cursos no exterior    ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '354', 'cd_midia_h': '354', 'align': 'Left'}
Os números da pesquisa mostram que 71,3% dos estudantes que têm interesse em realizar algum tipo de curso no exterior apontaram a Nova Zelândia como o país mais seguro, no aspecto sanitário, para uma viagem de estudos no futuro próximo (2020 – 2022).
O estudo também aponta que os estudantes brasileiros consideram a Nova Zelândia como o país mais competente nos protocolos de controle da pandemia: 75,7% deles escolheram o país da Oceania quando indagados sobre este assunto.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/11/206x137/1_unnamed-9134418.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f5bdba51bf1c', 'cd_midia':9134418, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/11/unnamed-9134418.jpg', 'ds_midia': 'Estudo sobre o impacto da Covid-19 no setor de intercâmbio foi realizado entre julho e agosto com estudantes de 22 estados, de todas as regiões do Brasil, que têm interesse em realizar cursos no exterior    ', 'ds_midia_credi': 'Pesquisa Selo Belta 2020/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Estudo sobre o impacto da Covid-19 no setor de intercâmbio foi realizado entre julho e agosto com estudantes de 22 estados, de todas as regiões do Brasil, que têm interesse em realizar cursos no exterior    ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '344', 'cd_midia_h': '344', 'align': 'Left'}
A pesquisa da Belta foi realizada por meio da internet, entre julho e agosto de 2020, com estudantes de todas as faixas etárias e representativos de todas as regiões do Brasil (22 estados). Segundo a pesquisa, aprender um novo idioma é um dos maiores estímulos para estudar fora, assim como vivenciar uma experiência internacional e a possibilidade de conciliar atividades de estudo com trabalho. Diferenciar o currículo e investir em educação internacional também estão no topo da lista de objetivos. Diante do atual cenário mundial, o levantamento abordou fatores de decisão para realização de um intercâmbio e a expectativa do desempenho educacional dos países na pós-pandemia.

Como se comportou o vírus na Nova Zelândia

Muito do sucesso da Nova Zelândia em lidar com o vírus foi atribuído a sua localização geográfica. Somente isso não explica totalmente o sucesso do país da Oceania em lidar com a pandemia, mas ajuda a entender. Não há como uma pessoa entrar na ilha sem que seja de conhecimento das autoridades, por isso, o veto a viajantes de fora teve resultado extremamente positivo.
O primeiro caso no país foi registrado em 28 de fevereiro, de um paciente que voltou do Irã, um dos países mais afetados na fase inicial da propagação da Covid-19. No dia 29 de março, quatro dias depois da implementação do lockdown - ocorreu a primeira morte. 
Liderado pela primeira-ministra Jacinda Ardern, a partir de 25 de março, o país vetou a entrada de viajantes, adotou normas rígidas de isolamento social e fechou escolas e comércio não essenciais. Também investiu fortemente em saúde e em uma rede de rastreamento de casos, além de promover testes em massa. 
Em 8 de junho, Jacinda chegou a anunciar que o país não tinha novos casos ativos de Covid-19 - há 17 dias não registrava ocorrências. Naquela época, o país tinha 1.154 infectados e 22 mortes.
O país reabriu economicamente, mas nunca deixou de dar atenção ao vírus. Em agosto, sem transmissão local há 102 dias, voltou a registrar casos internos, mesmo sem receber turistas. Por isso, a primeira-ministra neozelandesa decidiu confinar Auckland.
Assim, o país de 4,95 milhões de habitantes, chegou nesta sexta-feira (11), segundo a Universidade Johns Hopkins, a 1.793 casos e 24 mortes por Covid-19.
Comentários CORRIGIR TEXTO