Porto Alegre, segunda-feira, 31 de agosto de 2020.
Dia do Nutricionista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 31 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 09h58min, 31/08/2020.

UE oferece 400 milhões de euros a iniciativa por vacina para Covid-19

Iniciativa foi anunciada por Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia

Iniciativa foi anunciada por Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia


François WALSCHAERTS/POOL/AFP/JC
A Comissão Europeia anunciou nesta segunda-feira (31) que vai contribuir com 400 milhões de euros para uma iniciativa liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a compra de vacinas contra a Covid-19.
A Comissão Europeia anunciou nesta segunda-feira (31) que vai contribuir com 400 milhões de euros para uma iniciativa liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a compra de vacinas contra a Covid-19.
A iniciativa, batizada de Covax, pretende adquirir 2 bilhões de doses de potenciais vacinas contra a doença de vários fabricantes até o fim de 2021. A comissão da UE está negociando acordos para compra adiantada de vacinas contra a Covid-19 com diversas fabricantes, em nome dos 27 países que compõem o bloco, e afirmou nas últimas semanas que os governos do bloco não podem adquirir vacinas por meio de programas de compras paralelos.
"Hoje, a comissão está anunciando uma contribuição de 400 milhões de euros para a Covax, a fim de trabalharmos juntos na aquisição de vacinas futuras em benefício de países de rendas baixa e média", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.
Em comunicado, a comissão também disse que está pronta, junto com os países da UE, "para colocar especialização e recursos dentro da Covax, com o objetivo de acelerar o desenvolvimento, a fabricação e um fornecimento global de vacinas para cidadãos ao redor do mundo, em países pobres e ricos".
Agência Brasil
Comentários CORRIGIR TEXTO