Porto Alegre, segunda-feira, 10 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 10 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Venezuela

- Publicada em 21h06min, 09/08/2020.

Norte-americanos são condenados por terrorismo na Venezuela

Luke Denman e Airan Berry admitiram ter cometido os crimes, de acordo com procurador

Luke Denman e Airan Berry admitiram ter cometido os crimes, de acordo com procurador


MARCELO GARCIA/VENEZUELAN PRESIDENCY/AFP/JC
Dois norte-americanos foram condenados a 20 anos de prisão na Venezuela, acusados de terrorismo, conspiração e tráfico ilegal de armas. A informação foi divulgada na sexta-feira, em uma rede social, pelo procurador-geral venezuelano, Tarek William Saab. Os dois homens estavam envolvidos na Operação Gideon, uma incursão armada - fracassada - cujo objetivo seria derrubar Nicolás Maduro da presidência.
Dois norte-americanos foram condenados a 20 anos de prisão na Venezuela, acusados de terrorismo, conspiração e tráfico ilegal de armas. A informação foi divulgada na sexta-feira, em uma rede social, pelo procurador-geral venezuelano, Tarek William Saab. Os dois homens estavam envolvidos na Operação Gideon, uma incursão armada - fracassada - cujo objetivo seria derrubar Nicolás Maduro da presidência.
Luke Alexander Denman, 34 anos, e Airan Berry, 41 anos, admitiram ter cometido os crimes, de acordo com Saab. O procurador também divulgou fotos de veículos, armas e documentos de identidade.
Em maio, Denman afirmou, em vídeo divulgado pela televisão estatal, que tinha ordens para controlar o aeroporto de Caracas, sequestrar Maduro e depois levá-lo aos EUA.
Alfonso Medina, advogado dos norte-americanos, disse que sua equipe jurídica não foi autorizada a entrar no tribunal. Os réus não estavam disponíveis para comentar.
Denman e Berry estão entre as dezenas de pessoas detidas por uma incursão armada ao longo da costa norte da Venezuela, com apoio dos EUA e da vizinha Colômbia, que o regime de Maduro disse ter desmantelado em 4 de maio, com saldo de oito mortos.
O plano, segundo o regime, era a "captura, detenção e remoção" de Maduro e a instalação no poder de Juan Guaidó, líder parlamentar da oposição reconhecido como presidente da Venezuela por aproximadamente 50 países, incluindo os EUA.
Washington e Bogotá negaram qualquer participação direta no evento. O gabinete de Guaidó informou que ele sabia da operação desde outubro de 2019, mas não a financiou nem a encomendou. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que o governo Trump usará "todas as ferramentas" para garantir o retorno dos cidadãos norte-americanos.
Veterano das forças especiais dos EUA, Jordan Goudreau, que dirigia a Silvercorp USA, uma empresa de segurança privada com sede na Flórida, assumiu a responsabilidade pela operação. Em um vídeo, Denman disse que ele e outros foram contratados pela Silvercorp USA.
Comentários CORRIGIR TEXTO