Porto Alegre, segunda-feira, 03 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 03 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Europa

- Publicada em 17h29min, 31/07/2020. Atualizada em 19h14min, 03/08/2020.

Sob novos surtos de coronavírus, Europa reduz lista de países com entrada liberada

Apontada como um dos casos mais preocupantes de novos focos de coronavírus na Europa, a Espanha somou 56 ocorrências/100 mil habitantes

Apontada como um dos casos mais preocupantes de novos focos de coronavírus na Europa, a Espanha somou 56 ocorrências/100 mil habitantes


PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP/JC
A União Europeia (UE) tirou Argélia, Montenegro e Sérvia da lista de países para a qual recomenda a abertura de fronteiras externas. Em vez de 14 nações, a relação agora tem apenas 11: Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Tailândia, Tunísia e Uruguai.
A União Europeia (UE) tirou Argélia, Montenegro e Sérvia da lista de países para a qual recomenda a abertura de fronteiras externas. Em vez de 14 nações, a relação agora tem apenas 11: Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Tailândia, Tunísia e Uruguai.
No caso da China, a entrada de viajantes dependerá do princípio da reciprocidade: a permissão será dada aos países cujos residentes tenham entrada autorizada na nação asiática.
O Reino Unido, que até o final deste ano está em fase de transição do Brexit, foi considerado para essa decisão como membro da UE. Andorra, Mônaco, San Marino e Vaticano também terão entrada liberada de acordo com a recomendação, que vale a partir desta sexta-feira (31).
A relação de países é revisada periodicamente e se refere às viagens consideradas não essenciais, como as de turismo. Há exceções para vários casos, entre eles o de estudantes.
Segundo apurou a Folhapress, para montar a lista, os membros da UE seguiram critérios epidemiológicos como a curva do contágio no país e o número de novas contaminações. Também levaram em conta a confiabilidade dos números de cada nação, a capacidade de realizar testes e de rastrear contatos dos infectados e as regras de prevenção em vigor, "bem como considerações econômicas e sociais."
Em relação à situação epidemiológica, o critério é que o número de novos casos de coronavírus por 100 mil habitantes nas duas semanas anteriores esteja abaixo de 16, que era a média da UE no dia 15 de junho, quando a primeira lista foi lançada.
Nos 14 dias encerrados em 31 de julho, o número do Brasil era 18 vezes o limite máximo estipulado: 283 novos casos por 100 mil habitantes, o sexto maior do mundo, atrás de Quirguistão, Bahrein, Omã, Panamá e Israel. Em sétimo, os Estados Unidos registraram 279 novos casos por 100 mil habitantes.
Com entrada liberada pela UE, o Canadá tinha número levemente superior ao limite: 17/100 mil habitantes. Argélia, que foi retirada da lista, somou 19/100 mil. Montenegro registrou 230 novos casos/100 mil habitantes, e a Sérvia, 80/100 mil.
Apontada como um dos casos mais preocupantes de novos focos hoje na Europa, a Espanha somou 56 novos casos/100 mil habitantes, sete vezes o índice alemão, de 8/100 mil. O governo espanhol tem retomado medidas de isolamento em algumas regiões, como a da Catalunha.
A chegada do verão ao Hemisfério Norte também tem elevado o número de casos, uma vez que depois de meses de confinamento, as pessoas querem socializar em praias e bares. Como a gestão de fronteiras é uma competência nacional, e não da UE, alguns países membros têm recusado mesmo a entrada de visitantes de países que integram a lista dos liberados. Os países se comprometeram, em tese, a não aceitar residentes de outros locais, o que inclui Brasil e EUA.
O critério comum para as fronteiras externas é importante por causa da zona Schengen, território em que não há controle de passaportes nas fronteiras internas: os países que integram esse grupo precisam estar seguros em relação à ação dos que estão nos limites externos. Islândia, Lichtenstein, Noruega e Suíça, que não fazem parte da UE, mas integram a Schengen, também participam da recomendação.
Segundo o bloco, as restrições de viagem podem ser total ou parcialmente levantadas ou reintroduzidas para um país terceiro específico já listado, se suas condições mudarem. "Se a situação em um país terceiro listado piorar rapidamente, deve ser aplicada uma tomada de decisão rápida", afirma o documento.
As fronteiras externas da UE e da zona Schengen foram fechadas em 17 de março, durante a pandemia, e reabertas parcialmente em 1º de julho.
Comentários CORRIGIR TEXTO