Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coreia do Norte

Atualizada em 19h11min, 26/07/2020.

Kim Jong Un, líder da Coreia do Norte, diz que Covid-19 pode ter entrado no país

Até agora, a ditadura de Kim Jong Un afirmava que o país não tinha casos de coronavírus

Até agora, a ditadura de Kim Jong Un afirmava que o país não tinha casos de coronavírus


KCNA VIA KNS/AFP/JC
O líder norte-coreano Kim Jong Un assumiu neste domingo (26) pela primeira vez que o coronavírus pode ter entrado no país, ao confirmar o primeiro caso de suspeita de infecção, de acordo com informações da imprensa estatal. Diante das suspeitas, foi declarado lockdown (bloqueio total) na cidade de Kaesong, próxima da fronteira com a Coreia do Sul, desde a tarde de sexta-feira (24).
O líder norte-coreano Kim Jong Un assumiu neste domingo (26) pela primeira vez que o coronavírus pode ter entrado no país, ao confirmar o primeiro caso de suspeita de infecção, de acordo com informações da imprensa estatal. Diante das suspeitas, foi declarado lockdown (bloqueio total) na cidade de Kaesong, próxima da fronteira com a Coreia do Sul, desde a tarde de sexta-feira (24).
Se esse paciente for oficialmente declarado com Covid-19, será o primeiro caso confirmado no país. Até agora, a Coreia do Norte tem afirmado veementemente que não teve nenhum caso da doença. Tal alegação, entretanto, é questionada por especialistas externos.
A Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA, em inglês) informou que o caso suspeito é de um fugitivo do país que cruzou a fronteira há três anos e retornou ilegalmente no início da semana passada.
De acordo com a KCNA, amostras de secreção das vias aéreas e exames de sangue indicam que o paciente "é suspeito de ter sido infectado" pelo coronavírus e foi colocado em quarentena. Pessoas que estiveram em contato com ele e as que estiveram em Kaesong nos últimos cinco dias também foram colocadas em quarentena.
Com uma população estimada em 200 mil pessoas, a cidade de Kaesong está localizada próxima da zona desmilitarizada (DMZ) que separa as duas Coreias. O local já abrigou o complexo industrial conjunto das Coreias, fechado desde 2016 em meio a tensões nucleares.
No mês passado, a Coreia do Norte explodiu um escritório que intermediava as relações entre os dois países em Kaesong, em protesto contra uma campanha de ativistas sul-coreanos que estavam enviando panfletos anti-Pyongyang através da fronteira.
Comentários CORRIGIR TEXTO