Porto Alegre, segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

França

- Publicada em 20h08min, 19/07/2020. Alterada em 20h08min, 19/07/2020.

Polícia detém voluntário de catedral por suspeita de ação em incêndio

Chamas no templo começaram no início da manhã de sábado

Chamas no templo começaram no início da manhã de sábado


/SALOM-GOMIS/AFP/JC
Um voluntário da catedral gótica de Nantes, no Oeste da França, foi detido pela polícia neste domingo, após um incêndio que destruiu vitrais e o grande órgão da igreja do século XV no sábado. O homem, um refugiado de Ruanda, era o responsável por fechar o local na noite de sexta-feira, e os investigadores buscam esclarecer inconsistências no cronograma do suspeito.
Um voluntário da catedral gótica de Nantes, no Oeste da França, foi detido pela polícia neste domingo, após um incêndio que destruiu vitrais e o grande órgão da igreja do século XV no sábado. O homem, um refugiado de Ruanda, era o responsável por fechar o local na noite de sexta-feira, e os investigadores buscam esclarecer inconsistências no cronograma do suspeito.
Segundo o procurador Pierre Sennès, não há vestígios de invasão no nível do acesso externo da catedral. Ele ressaltou, no entanto, que "qualquer interpretação que possa implicar a pessoa na prática dos fatos é prematura e precipitada".
O incidente ocorre pouco mais de um ano após um grande incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris, que destruiu o telhado e a torre principal da igreja. Em Nantes, o fogo foi rapidamente contido, e o dano foi menor.
As chamas começaram no início da manhã de sábado no horário local. Mais de cem bombeiros combateram o fogo, extinguindo-o completamente na parte da tarde.
O incêndio surgiu atrás do grande órgão da igreja, que ficou destruído, segundo o chefe dos bombeiros, Laurent Ferlay. Vitrais na parte frontal da catedral foram quebrados, e o fogo também consumiu uma pintura do século 19 que veio de Roma.
Comentários CORRIGIR TEXTO