Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 16h07min, 15/07/2020. Alterada em 16h07min, 15/07/2020.

Editora do New York Times se demite e diz que jornal "tem o Twitter como editor"

Porta-voz do NYT disse que o jornal "está comprometido em promover um ambiente de diálogo honesto, de pesquisa e empático entre colegas"

Porta-voz do NYT disse que o jornal "está comprometido em promover um ambiente de diálogo honesto, de pesquisa e empático entre colegas"


EMMANUEL DUNAND/AFP/JC
Bari Weiss, editora de opinião do jornal norte-americano The New York Times, deixou o cargo nesta terça-feira (14). Em uma longa carta na qual explica a decisão, ela criticou o jornal por não a proteger do bullying constante dos colegas e disse que a Redação "tem o Twitter como seu editor definitivo".
Bari Weiss, editora de opinião do jornal norte-americano The New York Times, deixou o cargo nesta terça-feira (14). Em uma longa carta na qual explica a decisão, ela criticou o jornal por não a proteger do bullying constante dos colegas e disse que a Redação "tem o Twitter como seu editor definitivo".
A jornalista foi contratada em 2017 para trazer ao jornal vozes que não costumavam aparecer em suas páginas, como as de escritores iniciantes, centristas e conservadores. Isso porque o jornal havia fracassado no ano anterior em antecipar a eleição de Donald Trump e acreditava que isso se devia à falta de pluralidade nas opiniões.
Mas Bari diz que foi chamada de nazista, racista, e que sofreu um bullying constante de colegas ao tentar trazer as opiniões "politicamente incorretas" ao Times. "Artigos que seriam publicados facilmente há apenas dois anos agora colocam um editor ou escritor em sérios problemas, se não fora do jornal. E, se uma reportagem é considerada suscetível de inspirar reação interna ou nas mídias sociais, o editor ou escritor evita divulgá-la", afirma a jornalista. "O Twitter é o editor definitivo do jornal".
Eileen Murphy, porta-voz do New York Times, disse em comunicado que o jornal "está comprometido em promover um ambiente de diálogo honesto, de pesquisa e empático entre colegas, onde o respeito mútuo é exigido de todos".
Kathleen Kingsbury, editorialista do jornal, agradeceu pela contribuição de Bari à Redação, mas disse que está pessoalmente comprometida em garantir que o jornal continue a publicar vozes, experiências e pontos de vista de todo o espectro político.
Segundo o jornal, Bari vinha sendo criticada por suas opiniões e declarações polêmicas sobre aspectos dos movimentos sociais identitários que têm se fortalecido nos últimos anos. Um caso emblemático foi o do artigo na página de opinião do New York Times, assinado pelo senador norte-americano Tom Cotton, que pedia a intervenção das Forças Armadas para conter os protestos contra a morte de George Floyd, homem negro assassinado por um policial branco.
O artigo recebeu quase 2,4 mil comentários, a maioria negativos, e parte da Redação reagiu formalmente, com uma carta ao jornal assinada por cerca de mil funcionários.
Em um tweet, Bari descreveu a turbulência dentro do jornal como "uma guerra civil" entre jornalistas diferentes gerações. Muitos membros da Redação a contestaram, dizendo que a postagem foi inadequada e deturpava as preocupações dos colegas.
Comentários CORRIGIR TEXTO