Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 12h51min, 15/07/2020. Alterada em 12h51min, 15/07/2020.

Vacina de empresa americana contra coronavírus funciona em primeiro teste com humanos

Vacina mRNA-1273 induziu resposta imunológica de combate à Covid-19

Vacina mRNA-1273 induziu resposta imunológica de combate à Covid-19


MARIJAN MURAT/DPA/AFP/JC
Folhapress
A vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela empresa de biotecnologia americana Moderna teve os resultados preliminares positivos publicados na revista científica The New England Journal of Medicine na terça-feira (14). Os dados são da primeira fase do estudo clínico com a substância.
A vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela empresa de biotecnologia americana Moderna teve os resultados preliminares positivos publicados na revista científica The New England Journal of Medicine na terça-feira (14). Os dados são da primeira fase do estudo clínico com a substância.
Segundo o artigo, a mRNA-1273, como a vacina foi batizada, induziu resposta imunológica de combate ao Sars-CoV-2 nos 45 participantes do estudo. Anticorpos neutralizantes do novo coronavírus foram detectados por dois métodos em todas as pessoas imunizadas.
Os anticorpos são proteínas que o corpo produz ao entrar em contato com um microrganismo invasor, como um vírus. O corpo pode produzir diversos tipos de anticorpos, e alguns deles possuem ação neutralizante que combate o avanço de uma infecção.
A vacina da Moderna, produzida em parceria com o governo dos EUA e o Instituto de Pesquisa em Saúde Kaiser Permanente (EUA), usa pedaços do material genético do vírus (RNA) para estimular a resposta imunológica.
As pessoas vacinadas, que tinham entre 18 e 55 anos de idade, receberam duas doses da substância com um intervalo de 28 dias entre elas.
Reações adversas consideradas leves ou moderadas, como dor de cabeça e fadiga, foram relatadas por mais da metade dos participantes que receberam a imunização. Com base nesses resultados, o documento afirma que a vacina se mostrou segura.
Os resultados da imunização e reações adversas foram verificados pelos pesquisadores no 7º e no 14º dias após cada dose da vacina. O estudo foi conduzido pelo Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (Niaid), parte do grupo de Institutos Nacionais de Saúde (NIH).
Em nota, a Moderna diz que os dados dão suporte para o início de um estudo clínico maior, de fase 3, que vai contar com 30 mil participantes. A expectativa é que a próxima etapa tenha início no dia 27 de julho.
O estudo clínico de fase 3, o mais importante, é determinante para que as autoridades sanitárias concedam um registro para o produto.
Segundo a empresa, as doses para a realização da terceira fase de pesquisa já estão prontas. O comunicado da Moderna diz que a companhia se prepara para produzir cerca de 500 milhões de doses da vacina por ano.
De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 160 candidatas a vacina contra o novo coronavírus em estudo -23 delas em fase de testes clínicos.
A vacina criada pela empresa chinesa Sinovac e a imunização produzida em uma parceria pela Universidade de Oxford e pela empresa britânica AstraZeneca estão na fase mais avançada de testes. As duas candidatas possuem acordos para teste e produção com instituições brasileiras.
Comentários CORRIGIR TEXTO