Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Cazaquistão

- Publicada em 16h51min, 10/07/2020. Alterada em 16h51min, 10/07/2020.

Cazaquistão desmente afirmações chinesas sobre novo vírus mortal

Ministério cazaque mencionou pacientes registrados como afetados por pneumonia e não pelo novo coronavírus

Ministério cazaque mencionou pacientes registrados como afetados por pneumonia e não pelo novo coronavírus


PABLO PORCIUNCULA/AFP/JC
O Cazaquistão negou, nesta sexta-feira (10), as afirmações da embaixada chinesa de que um novo vírus mais letal que o que provoca a Covid-19 está em propagação em várias regiões do país de Ásia central.
O Cazaquistão negou, nesta sexta-feira (10), as afirmações da embaixada chinesa de que um novo vírus mais letal que o que provoca a Covid-19 está em propagação em várias regiões do país de Ásia central.
Em uma mensagem enviada a seus cidadãos, a embaixada chinesa em Nur-Sultan, capital do país, advertiu contra uma nova doença com "índice de mortalidade de longe superior à Covid-19", que teria provocado, segundo o texto, 1.772 mortes nos seis primeiros meses de 2020 e "628 apenas em junho".
O comunicado citava inicialmente uma "pneumonia cazaque", mas depois o termo foi substituído por "pneumonia não Covid". De acordo com a embaixada, três regiões do Cazaquistão estão afetadas e entre as vítimas estariam cidadãos chineses.
As afirmações "da mídia chinesa não correspondem à realidade", afirmou nesta sexta-feira o ministério cazaque da Saúde, sem uma referência ao comunicado da embaixada chinesa. O ministério mencionou pacientes registrados como afetados por pneumonia e não pelo novo coronavírus, apesar dos sintomas, pois os testes de Covid-19 foram negativos. Disse ainda que o problema se deve a uma falha de tradução.
No total, o país registra oficialmente até esta sexta-feira 57.747 casos e 264 mortes por coronavírus, mas como seus vizinhos da Ásia central é acusado por observadores e ONGs de minimizar a dimensão da pandemia.
Comentários CORRIGIR TEXTO