Porto Alegre, segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

União Europeia

29/06/2020 - 17h26min. Alterada em 29/06 às 17h26min

Conselho Europeu prorroga sanções econômicas contra Rússia por crise na Ucrânia

Em março de 2014, tropas russas invadiram regiões da Ucrânia e anexaram a Crimeia

Em março de 2014, tropas russas invadiram regiões da Ucrânia e anexaram a Crimeia


VIKTOR DRACHEV/AFP/JC
A União Europeia (UE) informou em comunicado que o Conselho Europeu decidiu prorrogar por mais seis meses, até 31 de janeiro de 2021, as sanções econômicas contra a Rússia relacionadas à crise na Ucrânia. O bloco diz que os membros do Conselho Europeu, durante videoconferência no dia 19, concluíram que não houve a aplicação integral dos Acordos de Minsk, previstos para entrar em vigor até 31 de dezembro de 2015.
A União Europeia (UE) informou em comunicado que o Conselho Europeu decidiu prorrogar por mais seis meses, até 31 de janeiro de 2021, as sanções econômicas contra a Rússia relacionadas à crise na Ucrânia. O bloco diz que os membros do Conselho Europeu, durante videoconferência no dia 19, concluíram que não houve a aplicação integral dos Acordos de Minsk, previstos para entrar em vigor até 31 de dezembro de 2015.
As medidas de restrição foram inicialmente adotadas em 2014, como resposta às "ações de desestabilização da Rússia contra a Ucrânia", com foco nos setores financeiro, energético e de defesa", diz a UE.
Entre outros pontos, as sanções limitam o acesso aos mercados de capitais primário e secundário do bloco por parte de certos bancos e empresas da Rússia, além de vetar as trocas comerciais e transferências na defesa.
No fim de 2013, a Rússia de Vladimir Putin pressionou a Ucrânia a não fechar um acordo de associação com a UE, que acabou não se materializando. Meses depois, tropas russas invadiram regiões da Ucrânia, e a Rússia anexou a região da Crimeia, em março de 2014, ação condenada pela UE e pelos Estados Unidos.
Comentários