Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Oriente médio

- Publicada em 14h11min, 29/06/2020. Alterada em 16h34min, 29/06/2020.

ONU pede que Israel mude decisão 'ilegal' e 'perigosa' de anexar terras da Cisjordânia

Michelle Bachelet diz que a anexação é ilegal, seja 'de 30% ou 5% da Cisjordânia'

Michelle Bachelet diz que a anexação é ilegal, seja 'de 30% ou 5% da Cisjordânia'


CRISTIAN HERNANDEZ/AFP/JC
Folhapress
A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, considera ilegal e perigoso o projeto israelense de anexação da Cisjordânia e destacou que as consequências "durarão décadas".
A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, considera ilegal e perigoso o projeto israelense de anexação da Cisjordânia e destacou que as consequências "durarão décadas".
"A anexação é ilegal. Ponto final", disse Bachelet por meio de um comunicado nesta segunda-feira (29). "Qualquer anexação. De 30% ou de 5% da Cisjordânia".
"Peço com insistência a Israel que escute seus próprios ex-funcionários e generais, assim como várias vozes no mundo, como advertência para não seguir por esta via perigosa."
Bachelet disse que as "ondas expansivas da anexação durarão décadas e serão extremamente prejudiciais para Israel, assim como para os palestinos". Segundo ela, ainda há tempo para modificar a decisão.
O Ministério das Relações Exteriores de Israel acusou Bachelet de preconceito e disse, em resposta, que não surpreende que ela tenha feito suas observações antes de "qualquer decisão ser tomada".
A declaração de Bachelet se soma à oposição internacional que aumentou nas últimas semanas. Líderes palestinos, Nações Unidas, potências europeias e países árabes aliados a Israel são contra qualquer anexação de terras que as forças israelenses capturaram em 1967.
Em janeiro, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresentou, ao lado do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, seu projeto de resolução para o conflito israelense-palestino, partindo da situação atual e não, como acontecia até então, do direito internacional e das resoluções da ONU.
Esse plano prevê a criação de um Estado palestino em um território restrito e fragmentado, assim como a anexação, por parte de Israel, de várias colônias e do Vale do Jordão, na Cisjordânia ocupada, um território palestino a 50 quilômetros de Gaza.
A proposta -já rejeitada por Autoridade Nacional Palestina (ANP), organizações internacionais e países europeus- pode entrar na pauta do governo a partir de quarta-feira (1°) e, depois, ser levada a votação no Knesset, o Parlamento de Israel.
O projeto, entretanto, já provocou uma série de problemas geopolíticos e ameaça o novo governo de união nacional, formado a duras penas após um ano e três eleições no país.
Nesta segunda, o ex-rival e principal parceiro de coalizão de Netanyahu, Benny Gantz, sinalizou sua oposição aos planos de anexação.
Entretanto, de acordo com um porta-voz do partido de Netanyahu, o premiê israelense disse que as próximas etapas do projeto não dependem do apoio de Gantz.
Gantz, pessoalmente, não é totalmente contrário a algum tipo de extensão de lei israelense à Cisjordânia. Mas defende apenas uma anexação do Vale do Rio Jordão, que considera estratégica, e não um processo mais amplo, ao menos sem a contrapartida imediata da criação de um Estado palestino.
Citado por um assessor a autoridades dos EUA nesta segunda, Gantz afirmou que a data prevista para o início das discussões no governo israelense -1º de julho- "não é sagrada".
O principal argumento para um possível adiamento é a crise causada pelo novo coronavírus em Israel.
"O que não está relacionado ao corona vai esperar até o dia depois do vírus", disse Gantz, que estima um cenário de crise por mais 18 meses.
Comentários CORRIGIR TEXTO