Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Clima

- Publicada em 21h19min, 25/06/2020. Alterada em 21h19min, 25/06/2020.

Nuvem de poeira atinge Cuba e prejudica qualidade do ar nos EUA

Mais intenso em 2020, fenômeno cobriu o céu de Havana

Mais intenso em 2020, fenômeno cobriu o céu de Havana


YAMIL LAGE/AFP/JC
A nuvem de poeira do deserto do Saara que atravessou o Oceano Atlântico e atingiu Cuba começou agora a afetar até a qualidade do ar na Flórida, nos Estados Unidos. Alguns especialistas chamam a intensa massa de ar muito seco com poeira do deserto africano de "nuvem de poeira Godzilla". É um fenômeno que ocorre anualmente, mas parece ter se intensificado em 2020.
A nuvem de poeira do deserto do Saara que atravessou o Oceano Atlântico e atingiu Cuba começou agora a afetar até a qualidade do ar na Flórida, nos Estados Unidos. Alguns especialistas chamam a intensa massa de ar muito seco com poeira do deserto africano de "nuvem de poeira Godzilla". É um fenômeno que ocorre anualmente, mas parece ter se intensificado em 2020.
Impulsionado por ventos fortes, o pó do Saara viaja através do Oceano Atlântico do Oeste da África durante a primavera no Hemisfério Norte. Nesta ocasião, a massa de ar seca e poeirenta percorreu 8 mil km até o Caribe e começou a encobrir desde o domingo passado, San Juan, capital de Porto Rico, que parecia envolta em uma camada de neblina. Agora, um sistema de alta pressão empurra o pó saariano até a costa do Golfo da Flórida.
Em Miami, a qualidade do ar na quarta-feira era considerada "moderada", de acordo com o escritório de gestão de recursos ambientais e a secretaria de Saúde da cidade. As autoridades pedem que pessoas com problemas respiratórios permaneçam em casa.
A previsão é de que a qualidade do ar em Cuba também viesse a piorar nesta quinta-feira, e a nuvem deve continuar sobre a ilha até esta sexta-feira. Em Havana, o fenômeno causa uma deterioração considerável na qualidade do ar, segundo relatou o cientista Eugenio Mojena.
Ele explica que as nuvens de poeira são carregadas com material altamente prejudicial à saúde humana como ferro, cálcio, fósforo, silício e mercúrio, além de vírus, bactérias, fungos, ácaros patogênicos, estafilococos e poluentes orgânicos.
A massa de ar seco e carregada de partículas de areia se forma sobre o deserto do Saara no final da primavera, no verão e no começo do outono no Hemisfério Norte, e geralmente se desloca em direção ao Oeste sobre o Oceano Atlântico a cada três ou cinco dias. Quando ocorre, costuma ser de curta duração, não superior a uma semana. Porém, a presença de ventos suaves em certas épocas do ano a tornam mais propensa a cruzar o Atlântico e percorrer mais de dez mil quilômetros.
É o que ocorre desta vez. Uma gigantesca mancha opaca encobre há dias parte do Oceano Atlântico. Nas imagens capturadas por satélites, há uma nuvem marrom que vai da África até o Caribe. Tradicionalmente, a atividade da camada de ar do Saara aumenta em meados de junho, alcançando seu ponto máximo do final deste mês até meados de agosto, quando começa a diminuir rapidamente.
Durante seu período de maior atividade, a camada de ar saariana chega até a Flórida, América Central e Texas, cobrindo uma área enorme que, incluindo as partes do Atlântico, é superior ao território dos Estados Unidos e do Canadá juntos. Especialistas afirmam que a atual nuvem tem a concentração mais alta de partículas de poeira registrada nos últimos 50 anos na região.
A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) prevê que a coluna de poeira do Saara continuará se movendo rumo ao oeste pelo Mar do Caribe, alcançando áreas do norte da América do Sul, América Central e da Costa do Golfo dos Estados Unidos.
Comentários CORRIGIR TEXTO