Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Estados Unidos

25/06/2020 - 14h04min. Alterada em 25/06 às 14h04min

China precisa parar de roubar propriedade intelectual, diz Mike Pompeo

Pompeo ainda defendeu decisão de Trumo de abandonar acordo nuclear multilateral com Irã

Pompeo ainda defendeu decisão de Trumo de abandonar acordo nuclear multilateral com Irã


SAUL LOEB/AFP/JC
O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse nesta quinta-feira (25) que os Estados Unidos desejam trabalhar em várias frentes com "o Partido Comunista" da China, lembrando que os dois países já fecharam anteriormente a fase 1 de um acordo bilateral. Segundo ele, porém, para isso Pequim precisa mudar sua postura, deixando por exemplo de "roubar propriedade intelectual" e também sugerindo que os americanos querem mais acesso a mercados de capital chineses.
O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse nesta quinta-feira (25) que os Estados Unidos desejam trabalhar em várias frentes com "o Partido Comunista" da China, lembrando que os dois países já fecharam anteriormente a fase 1 de um acordo bilateral. Segundo ele, porém, para isso Pequim precisa mudar sua postura, deixando por exemplo de "roubar propriedade intelectual" e também sugerindo que os americanos querem mais acesso a mercados de capital chineses.
Pompeo falou em um fórum virtual e também respondeu a questões. Ele criticou o fato de que a China deseja manter seu status de país em desenvolvimento na Organização Mundial de Comércio (OMC), que lhe dá vantagens, mas já é a segunda maior economia do mundo.
Além disso, destacou o fato de que a China tem acesso ao mercado de capitais americanos "de modo que não temos lá".
O secretário de Estado também voltou a criticar a intenção chinesa de querer impor uma nova lei de segurança para reforçar o controle sobre Hong Kong, o que para os EUA representa na prática o fim do modelo "Um país, dois sistemas" atualmente em vigor.
"Não apenas os EUA, o mundo confronta a China" pelo avanço sobre Hong Kong, disse ele.
Pompeo ainda defendeu a estratégia do governo do presidente Donald Trump de abandonar o acordo nuclear multilateral com o Irã. Segundo ele, Teerã escolheu descumprir a iniciativa, por isso a decisão americana.
O secretário de Estado foi também questionado sobre a questão da retomada das viagens, após ter sido superado o auge da pandemia da Covid-19. Segundo ele, os EUA pretendem trabalhar com seus parceiros europeus para definir como retomar essas viagens, sempre se baseando na ciência e nos dados disponíveis para essas decisões.
Comentários