Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Oriente médio

- Publicada em 13h17min, 08/06/2020. Alterada em 13h17min, 08/06/2020.

Arábia Saudita não compensará falha no cumprimento do acordo de parceiros da Opep

Opep+ concordou em abril em reduzir a produção de petróleo em 9,7 milhões de bpd

Opep+ concordou em abril em reduzir a produção de petróleo em 9,7 milhões de bpd


FAYEZ NURELDINE/AFP/JC
A Arábia Saudita cortará sua produção de petróleo no nível prometido, como parte de um acordo a partir de julho, e nada além disso, afirmou nesta segunda-feira o ministro da Energia do país, príncipe Abdulaziz bin Salman. Desde o início de junho, o principal exportador da commodity no mundo tem reduzido sua produção em um adicional de 1 milhão de barris por dia (bpd) acima do nível combinado com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+).
A Arábia Saudita cortará sua produção de petróleo no nível prometido, como parte de um acordo a partir de julho, e nada além disso, afirmou nesta segunda-feira o ministro da Energia do país, príncipe Abdulaziz bin Salman. Desde o início de junho, o principal exportador da commodity no mundo tem reduzido sua produção em um adicional de 1 milhão de barris por dia (bpd) acima do nível combinado com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+).
Em conferência virtual nesta segunda-feira, Salman afirmou que "o corte voluntário serviu a seu propósito". "Estamos seguindo em frente", comentou ainda.
A declaração é parte dos novos esforços sauditas para manter os compromissos da Opep e endurecer com membros que não cumprem o combinado. "Nós não somos diplomatas, nós somos produtores de petróleo e eles são rudes e duros", afirmou.
A Opep+ concordou em abril em reduzir a produção de petróleo em 9,7 milhões de bpd. No sábado, fechou outro acordo, para estender os cortes por mais um mês.
O ministro saudita também disse que o Iraque havia se comprometido a entregar 80% de seus cortes em junho, mas fará mais cortes em julho, agosto e setembro.
Já na Líbia o maior campo de petróleo do país, o Sharara, que produz 300 mil bpd, reabriu no sábado, enquanto o xisto dos EUA tem a produção retomada. O príncipe saudita disse, porém, que o retorno deles era uma notícia bem-vinda, de normalização do quadro econômico. Fonte:
Comentários CORRIGIR TEXTO