Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Colômbia

- Publicada em 19h20min, 25/05/2020. Alterada em 19h20min, 25/05/2020.

Cidade colombiana mais infectada por coronavírus culpa Bolsonaro

Brasil fica a 15 minutos de comunidade indígena na Colômbia

Brasil fica a 15 minutos de comunidade indígena na Colômbia


Tatiana de Nevó/AFP/JC
Isolada do resto da Colômbia e colada à cidade brasileira de Tabatinga (AM), Leticia, incrustada na selva amazônica, vive a pior crise sanitária de sua história. E, para muitos ali, a culpa pelo desastre cai na conta do governo Jair Bolsonaro.
Isolada do resto da Colômbia e colada à cidade brasileira de Tabatinga (AM), Leticia, incrustada na selva amazônica, vive a pior crise sanitária de sua história. E, para muitos ali, a culpa pelo desastre cai na conta do governo Jair Bolsonaro.
"Não quero dizer de uma forma grosseira, mas parece que o presidente Bolsonaro não deu a importância que a epidemia exigia", disse à reportagem da Folhapress o prefeito de Leticia, Jorge Luis Mendoza, em entrevista por telefone.
"Em nosso contexto, Leticia e Tabatinga sempre foram cidades gêmeas. O que afeta um lado afeta o outro. Ficou essa janela aberta entre nós e o restante do Brasil. Foi por esse ponto que o vírus penetrou nessa zona tão isolada."
Com uma fronteira seca e só acessíveis por barco ou avião, as duas cidades funcionavam como uma só - compartilhavam até a mesma avenida principal. Até que, em 17 de março, o governo colombiano fechou as fronteiras do país.
Mas a medida não impediu a circulação de pessoas, dizem os moradores. "A fronteira não é esses dez metros de rua", diz Anitalia Pijachi Kuyuedo, líder comunitária do povo indígena okaira-muina murui. "Aqui, na minha comunidade, o Brasil está a 15 minutos. E tudo está povoado de gente que vai e vem, vai e vem. É utopia dizer que a fronteira foi fechada."
Ela conhece diversos casos de pessoas infectadas que chegaram de barco do Brasil e culpa Bolsonaro pela falta de medidas de controle. "Todo mundo sabe o pensamento de Bolsonaro diante dessa 'gripinha', como ele disse."
Médico da ONG Sinergias Alianzas, focada em saúde pública na Amazônia colombiana, Pablo Martínez é cauteloso em culpar o Brasil. Ele diz que o vírus pode ter chegado via turistas europeus ou de Iquitos, cidade da Amazônia peruana.
Assim como Tabatinga e outras cidades brasileiras da calha do rio Solimões, que registram as maiores taxas de incidência do País, Leticia se tornou a recordista colombiana de número de casos por 100 mil habitantes.
Até domingo (24), a maior cidade da Amazônia colombiana acumulava 49 óbitos, um caso a mais do que Tabatinga. No entanto, à diferença da vizinha brasileira, com situação similar a diversas outras Brasil afora, Leticia é um ponto fora da curva na Colômbia.
Com apenas 0,1% da população da Colômbia, Leticia, de 49 mil habitantes, concentra 7% das 705 mortes por coronavírus. É, de longe, a maior taxa de mortalidade do país de 50 milhões de habitantes.
Comentários CORRIGIR TEXTO