Porto Alegre, quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Hong Kong

Alterada em 21/05 às 15h21min

China prepara nova lei de segurança nacional para Hong Kong

No ano passado, ocorreram distúrbios antigovernamentais, contra a retirada de autonomia da cidade

No ano passado, ocorreram distúrbios antigovernamentais, contra a retirada de autonomia da cidade


ISAAC LAWRENCE/AFP/JC
A China informou, nesta quinta-feira (21), que iniciaria um processo para aplicar unilateralmente as leis de segurança nacional a Hong Kong, aumentando a chance de novos confrontos com ativistas pela democracia.
A China informou, nesta quinta-feira (21), que iniciaria um processo para aplicar unilateralmente as leis de segurança nacional a Hong Kong, aumentando a chance de novos confrontos com ativistas pela democracia.
Segundo Zhang Yesui, porta-voz do Legislativo chinês, os parlamentares vão deliberar sobre o projeto de resolução que permite ao Congresso Nacional do Povo traçar uma legislação que visa "parar atividades subversivas e a interferência estrangeira" em Hong Kong. A legislatura, que inicia sua sessão anual nesta sexta-feira (22), deve aprovar a resolução na próxima semana.
Há menos de um ano Hong Kong foi consumida por distúrbios antigovernamentais, contra a retirada de autonomia da cidade. E, desde o ano passado, o governo central da China tem sinalizado para a criação de uma legislação de segurança nacional urgente, para manter Hong Kong sob controle.
A ex-colônia britânica foi entregue ao controle chinês em 1997, sob a condição de ser concedido um alto grau de autonomia sob uma estrutura de "um país, dois sistemas" até 2047.
Comentários