Porto Alegre, segunda-feira, 18 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 18 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Europa

18/05/2020 - 15h23min. Alterada em 18/05 às 19h16min

Alemanha e França anunciam fundo de 500 bilhões de euros para combater Covid-19

Líderes destacam que verba ajudará a economia do bloco a se recuperar da recessão

Líderes destacam que verba ajudará a economia do bloco a se recuperar da recessão


PHILIPPE LOPEZ/AFP/JC
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Emmanuel Macron, anunciaram na tarde desta segunda-feira (18) um fundo conjunto de 500 bilhões de euros para combater a Covid-19 e seus impactos econômicos.
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Emmanuel Macron, anunciaram na tarde desta segunda-feira (18) um fundo conjunto de 500 bilhões de euros para combater a Covid-19 e seus impactos econômicos.
Em coletiva de imprensa virtual, os líderes destacaram que a verba deve ajudar a economia do bloco a se recuperar da recessão trazida pela pandemia. "Nosso objetivo é que a Europa saia da crise ainda mais forte", ressaltou Merkel. Macron fez questão de enfatizar a importância de respostas globais ao novo coronavírus.
De acordo com a chanceler alemã, a Comissão Europeia, órgão executivo da União Europeia (UE), ficará responsável por definir onde e de que forma os recursos serão aplicados.
"O programa franco-alemão se une aos estímulos do Banco Central Europeu (BCE) para apoiar a UE", destacou em nota a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, após o anúncio conjunto dos países. "A proposta reconhece e alcança a dimensão da crise", completou.
Comentários