Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Europa

- Publicada em 21h22min, 17/05/2020. Alterada em 21h21min, 17/05/2020.

União Europeia pode suspender repasses à Hungria

Eurodeputados sugerem sanções econômica ao país de Orbán

Eurodeputados sugerem sanções econômica ao país de Orbán


KENZO TRIBOUILLARD/AFP/JC
Pressionado por eurodeputados que sugerem cortar repasses de fundos à Hungria se o país mantiver o que consideram ataques à democracia, o primeiro-ministro Viktor Orbán disse que pode encerrar no final deste mês a legislação que lhe permite governar por decreto. A declaração de Orbán foi feita durante viagem à Sérvia, segundo texto publicado na página do governo húngaro.
Pressionado por eurodeputados que sugerem cortar repasses de fundos à Hungria se o país mantiver o que consideram ataques à democracia, o primeiro-ministro Viktor Orbán disse que pode encerrar no final deste mês a legislação que lhe permite governar por decreto. A declaração de Orbán foi feita durante viagem à Sérvia, segundo texto publicado na página do governo húngaro.
Na última semana, o governo deteve duas pessoas por causa de postagens publicados em redes sociais. A possibilidade de prender por até cinco anos quem divulgar informações que - na interpretação do governo - possam "obstruir ou impedir o combate à pandemia" é um dos pontos da "lei do coronavírus" mais criticados por políticos e entidades de direitos civis.
As duas detenções foram gravadas em vídeo e publicadas na internet. Em uma delas, um homem de 64 anos foi detido por um comentário em que pede a Orbán que não relaxe as medidas de restrição depois de um pico da doença, que, segundo o premiê, ocorreria em 3 de maio.
No segundo caso, foi preso um membro do partido centrista Momentum que, em um grupo fechado no Facebook, compartilhou o comentário de um político húngaro e acrescentou que 1.170 leitos de hospital em sua cidade haviam sido esvaziados para receber pacientes com Covid-19.
Analistas e entidades dizem que, ainda que esses casos não sejam levados adiante pela Justiça, eles cumprem o objetivo de ameaçar e intimidar opositores e jornalistas. Na sexta-feira, 80 eurodeputados e líderes de organizações civis pediram, em uma carta, que a União Europeia enfrente Viktor Orbán, cujas ações classificam como "um ataque flagrante às pedras angulares do Estado de Direito". "A União Europeia não deve ficar inerte enquanto a democracia de um Estado-membro estiver em risco", escreveram.
Em audiência no Parlamento, a vice-presidente da Comissão Europeia (o braço executivo da UE), Vera Jourová, disse que estava "muito bem informada sobre as pessoas detidas e sobre a disseminação das chamadas notícias falsas", e que avaliava "diariamente se podem ser tomadas medidas legais".
A Comissão foi criticada por eurodeputados por não usar seu poder para denunciar o governo húngaro ao Tribunal de Justiça Europeu por violações da legislação da UE.
Orbán recusou convite para falar no debate, mas, na Sérvia, afirmou que a "lei do coronavírus" foi criada para habilitá-lo a "tomar rapidamente decisões sérias e difíceis devido à epidemia", e que a Hungria sairia dos debates da UE "fortalecida moral e espiritualmente nas próximas semanas".
Comentários CORRIGIR TEXTO