Porto Alegre, quarta-feira, 13 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 13 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Israel

Alterada em 13/05 às 20h29min

Em Israel, Pompeo pede cautela a novo governo

Mike Pompeo (e) chegou nesta quarta-feira (13) a Jerusalém e foi recebido por Benny Gantz

Mike Pompeo (e) chegou nesta quarta-feira (13) a Jerusalém e foi recebido por Benny Gantz


SEBASTIAN SCHEINER/AFP/JC
Com Israel se preparando para anexar territórios na Cisjordânia ocupada - Vale do Jordão e grandes blocos de colônias - e em meio a uma enxurrada de confrontos que já deixou um soldado israelense e um palestino mortos, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, chegou a Jerusalém, nesta quarta-feira (13), prometendo avançar com a proposta de resolver o conflito israelense-palestino.
Com Israel se preparando para anexar territórios na Cisjordânia ocupada - Vale do Jordão e grandes blocos de colônias - e em meio a uma enxurrada de confrontos que já deixou um soldado israelense e um palestino mortos, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, chegou a Jerusalém, nesta quarta-feira (13), prometendo avançar com a proposta de resolver o conflito israelense-palestino.
O plano dos EUA é tornar Jerusalém a capital "indivisível" do "Estado judeu" de Israel e prevê anexações na Cisjordânia. Também contempla a criação de um Estado palestino em um pequeno território.
Em Israel, as pesquisas mostram um grande apoio da direita à anexação, mas não tanto no centro e na esquerda, vertentes também representadas no governo de unidade, especialmente por Benny Gantz, que assume, agora, como ministro da Defesa e, em 18 meses, como premiê.
Comentários