Porto Alegre, segunda-feira, 20 de abril de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de abril de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Venezuela

Notícia da edição impressa de 20/04/2020. Alterada em 19/04 às 20h43min

Nicolás Maduro chama Bolsonaro de "coronalouco"

Venezuelano disse que irresponsabilidade de Bolsonaro "causou o contágio e a morte de milhares de brasileiros"

Venezuelano disse que irresponsabilidade de Bolsonaro "causou o contágio e a morte de milhares de brasileiros"


VENEZUELAN PRESIDENCY/AFP/JC
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de "coronalouco", pela "irresponsabilidade que causou o contágio e a morte de milhares de brasileiros". Maduro deu a declaração em entrevista a uma rádio argentina, na qual também disse que será bastante provável que as eleições legislativas da Venezuela, previstas para o dia 6 de dezembro, "tenham de ser adiadas". "Temos como prioridade combater a pandemia, e seria uma irresponsabilidade agora se eu confirmasse que haverá eleições."
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de "coronalouco", pela "irresponsabilidade que causou o contágio e a morte de milhares de brasileiros". Maduro deu a declaração em entrevista a uma rádio argentina, na qual também disse que será bastante provável que as eleições legislativas da Venezuela, previstas para o dia 6 de dezembro, "tenham de ser adiadas". "Temos como prioridade combater a pandemia, e seria uma irresponsabilidade agora se eu confirmasse que haverá eleições."
Neste caso, porém, não explicou se a atual Assembleia Nacional, de maioria opositora, teria seu mandato estendido ou se haveria outra saída. O líder chavista disse, apenas, que a decisão seria tomada pelo Tribunal Supremo de Justiça, que é controlado pelo governo. "A prioridade agora é a pandemia, a economia, a estabilidade social e a vida das pessoas", afirmou.
Maduro também disse que os números oficiais de infectados (204) e de mortos (nove) na Venezuela são explicados pelo fato de o regime ter tomado "medidas audazes e a tempo", afirmou.
Comentários