Porto Alegre, domingo, 19 de abril de 2020.
Dia Nacional do Índio. Dia do Diplomata. Paixão de Cristo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, domingo, 19 de abril de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Venezuela

19/04/2020 - 10h27min. Alterada em 19/04 às 12h22min

Maduro chama Bolsonaro de 'coronalouco' e de irresponsável

Nicolás Maduro não confirma que eleições na Venezuela serão realizadas em dezembro

Nicolás Maduro não confirma que eleições na Venezuela serão realizadas em dezembro


YURI CORTEZ/AFP/JC
Folhapress
O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de "coronalouco", pela "irresponsabilidade que causou o contágio e a morte de milhares de brasileiros".
O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de "coronalouco", pela "irresponsabilidade que causou o contágio e a morte de milhares de brasileiros".
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Maduro deu a declaração em entrevista a uma rádio argentina (AM750), na qual também disse que será bastante provável que as eleições legislativas da Venezuela, previstas para o dia 6 de dezembro, "tenham de ser adiadas" por conta do coronavírus. "Temos como prioridade combater a pandemia, e seria uma irresponsabilidade agora se eu confirmasse que haverá eleições".
Neste caso, porém, Maduro não explicou se a atual Assembleia Nacional, de maioria opositora e liderada por Juan Guaidó, considerado presidente do país por mais de 50 países, teria seu mandato estendido ou se haveria outra saída.
Disse, apenas, que a decisão seria tomada pelo Tribunal Supremo de Justiça, que é controlado pelo regime. "A prioridade agora é a pandemia, a economia, a estabilidade social e a vida das pessoas", afirmou.
Maduro também disse que os números oficiais de infectados (204) e de mortos (9) pelo coronavírus na Venezuela são explicados pelo fato de o regime ter tomado "medidas audazes e a tempo", afirmou. Organismos internacionais e a oposição consideram que esses números estão errados.
Segundo o ditador, a pandemia teve consequências tão graves na Europa e nos EUA porque estes não trataram com seriedade o tema "por preconceito, porque vinha da China. Nós observamos desde o primeiro momento", afirmou.
E acrescentou: "agora esses países estão desesperados para acabar com a quarentena, com decisões apressadas que vão causar dano a seu povo e à humanidade". Maduro disse que a Venezuela está agindo como a China, "atuando em tempo recorde". Já médicos que atuam no país vêm alertando que o sistema de saúde venezuelano não terá como responder ao pico da pandemia, caso ela se alastre pelo país.
Ao final, Maduro manifestou o desejo de um dia viver na Argentina, por conta de ser "um povo muito afetuoso e que apoiou e amou a Hugo Chávez".
Comentários