Porto Alegre, quinta-feira, 19 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

SELO

Notícia da edição impressa de 19/03/2020. Alterada em 19/03 às 03h00min

Mercosul acerta ação para resgatar cidadãos

Com diversos governos do mundo fechando suas fronteiras diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), os governos de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai decidiram, nesta quarta-feira, atuar conjuntamente para tentar repatriar cidadãos do Mercosul (bloco que reúne esses quatro países). O tema foi discutido em videoconferência do presidente Jair Bolsonaro com seus contrapartes Mario Abdo Benítez (Paraguai) e Luis Lacalle Pou (Uruguai), além do chanceler argentino Felipe Solá.
Com diversos governos do mundo fechando suas fronteiras diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), os governos de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai decidiram, nesta quarta-feira, atuar conjuntamente para tentar repatriar cidadãos do Mercosul (bloco que reúne esses quatro países). O tema foi discutido em videoconferência do presidente Jair Bolsonaro com seus contrapartes Mario Abdo Benítez (Paraguai) e Luis Lacalle Pou (Uruguai), além do chanceler argentino Felipe Solá.
A ideia é que as autoridades dos quatro países se coordenem e se ajudem nesse esforço, tanto nos contatos com governos para conseguir a permissão para a retirada de turistas ou outras pessoas que tenham ficado presas com o fechamento das fronteiras, quanto na logística de compartilhamento de eventuais voos ou transportes terrestres que sejam realizados.
O primeiro passo da estratégia adotada é levantar quantos são e onde estão os cidadãos desses quatro países que querem retornar para suas casas. Segundo interlocutores relataram à Folha S. Paulo, há consulados brasileiros sobrecarregados com pedidos de auxílio para regresso. Só no Peru, o Itamaraty estima que haja 3.770 turistas brasileiros querendo voltar ao País.
Na videoconferência, Bolsonaro e as autoridades dos demais países do Mercosul também trataram da necessidade de cooperação em cidades de fronteira, que, em muitos casos, não têm linhas claras ou controles na separação entre um país ou outro.
Também discutiram a possibilidade de utilizar fundos regionais para auxiliar no combate à doença. É a segunda videoconferência de líderes da América do Sul que ocorre em menos de uma semana. Na segunda-feira, líderes sul-americanos fizeram uma videoconferência para discutir a emergência sanitária causada pela Covid-19. Bolsonaro não participou, e o Brasil foi representado pelo chanceler Ernesto Araújo.
O Itamaraty afirmou, nesta quarta-feira, que acompanha com atenção a situação de turistas brasileiros que enfrentam dificuldades para retornar ao País. Os principais pontos de atenção estão no Peru, no Marrocos e no Vietnã. "Por meio das embaixadas, estão sendo feitas gestões junto a autoridades locais, para o pronto regresso de brasileiros", disse a chancelaria pelo Twitter. "As embaixadas e repartições consulares do Brasil estão mobilizadas na assistência aos brasileiros que se encontrem no exterior e enfrentem dificuldades de regresso ao Brasil em função de restrições dos governos locais relacionadas ao coronavírus", informou a pasta em outra publicação.
As companhias aéreas Gol e TAM entraram em acordo com o governo, nesta quarta-feira, para transportar os quase 4 mil turistas brasileiros que estão presos no Peru. O país vizinho fechou as fronteiras para conter o avanço do coronavírus. As tratativas têm sido acompanhadas pela Embaixada do Brasil em Lima.
Aos brasileiros que estão no exterior, o Itamaraty recomenda que sigam as orientações das autoridades de saúde locais, além das medidas de prevenção e controle para a infecção do novo coronavírus.