Porto Alegre, quarta-feira, 18 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Buenos Aires

Alterada em 18/03 às 16h04min

Metrô de Buenos Aires restringe circulação e não permitirá viagens em pé

Funcionários do metrô controlarão para que ninguém viaje de pé, evitando a aproximação das pessoas

Funcionários do metrô controlarão para que ninguém viaje de pé, evitando a aproximação das pessoas


RONALDO SCHEMIDT/AFP/JC
Folhapress
O chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, determinou que a partir desta sexta-feira (20), o serviço de metrô da capital argentina passe a funcionar de forma parcial e controlada.
O chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, determinou que a partir desta sexta-feira (20), o serviço de metrô da capital argentina passe a funcionar de forma parcial e controlada.
Os trens das seis linhas só vão parar nas estações inicial e terminal e nas estações onde se faz baldeações. Além disso, só será permitido o transporte de passageiros sentados. Funcionários do metrô controlarão para que ninguém viaje de pé, evitando a aproximação das pessoas.
"Já com o pedido de que as pessoas que pudessem, passassem a trabalhar em casa, tivemos uma queda de 52% no uso do serviço. Esperamos chegar no mínimo possível, apenas para transportar enfermeiros, médicos, gente que precise trabalhar nesse período de pandemia", afirmou, em entrevista a jornalistas.
Diariamente, o metrô portenho costuma transportar 1.2 milhão de pessoas, e também faz conexões com trens que levam à Província de Buenos Aires, cuja redução do serviço também passará a ocorrer nos próximos dias.
Rodríguez Larreta, que é do partido do ex-presidente Mauricio Macri, afirmou que está trabalhando em "sintonia total" com o governo kirchnerista no caso do coronavírus. Ambos têm aparecido juntos nas entrevistas coletivas para mostrar coesão política em tempos de crise.